Participamos do

"Esse senador tem defendido o projeto do Bolsonaro. Isso é inadmissível", diz Camilo sobre Girão

O senador rebateu afirmando que tudo que incomoda ao governador vira declarações intempestivas sobre supostas 'fake news'. Camilo e Girão devem estar em lados opostos nas eleições do ano que vem
11:03 | Mai. 06, 2021
Autor Vítor Magalhães
Foto do autor
Vítor Magalhães Repórter de Política
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

*atualizada às 20h12min

O governador do Ceará, Camilo Santana (PT), criticou a postura do senador Eduardo Girão (Podemos) em relação aos questionamentos feitos sobre supostas irregularidades na aquisição de equipamentos pelo governo do Estado para o combate à pandemia. Declaração foi dada em entrevista à Rádio O POVO CBN, na manhã desta quinta-feira, 6.

Santana disse ser a favor de qualquer investigação “séria e imparcial” e que não se aproveite do ponto de vista político. “O Ceará vem sendo campeão em transparência inclusive pela Controladoria Geral da União (CGU). Fomos nota dez em relação a Covid-19. Então a transparência dos gastos públicos e das informações é importante”, ressaltou.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

"O senador (Girão) tem simplesmente defendido o Bolsonaro; o projeto de Bolsonaro. E isso é inadmissível. Acreditamos em investigações sérias e o Estado do Ceará sempre estará aberto. Todos os equipamentos que o Estado adquiriu foram recebidos. Tudo que compramos, inclusive da China. Equipamentos que estão salvando vidas”, pontuou.

Esta semana, o Ministério Público Federal (MPF) arquivou investigação sobre supostas irregularidades na compra de respiradores pelo governo do Estado por meio de contratos com a empresa China Meheco Corporation. Segundo o órgão, as investigações não constataram irregularidades que configuram ato de improbidade administrativa.

No mês passado, Girão apresentou requerimentos propondo a convocação de uma série de gestores e ex-gestores cearenses para depoimento na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid para “verificar a adequada aplicação dos recursos federais repassados ao Estado do Ceará em razão da pandemia de Covid-19", justificou o senador à época.

Na esteira dos acontecimentos, Camilo e Girão fazem parte de grupos opostos que devem disputar o governo do Estado nas eleições de 2022. O senador é um dos nomes cotados na oposição para a disputa do Executivo estadual, enquanto o ex-prefeito de Fortaleza Roberto Cláudio (PDT) é apontado como provável nome dos governistas para disputar a sucessão de Camilo.

Girão rebate declarações de Camilo

Em nota enviada ao O POVO, Eduardo Girão respondeu à críticas de Camilo Santana. O senador afirmou que "tudo aquilo que o incomoda (a Camilo) vira declarações intempestivas sobre supostas 'fake news', 'calúnias' e 'estranhezas'.

"O governador do Ceará classifica como 'inadmissível' o nosso esforço para dar respostas à população sobre compras superfaturadas, calotes de respiradores, desmanche de hospital de campanha e outros temas que levaram milhões dos cofres públicos e, ao mesmo tempo, ceifaram vidas humanas durante a pandemia. Sobretudo em nosso Estado", disse Girão na nota.

O senador enfatizou ainda que adota conduta "pautada por princípios e valores". "Não há espaço para acordos, 'camaradagens' ou 'barganhas', práticas tão comuns na gestão estadual cearense", complementou.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags