PUBLICIDADE
Política
NOTÍCIA

Girão pede e CPI aprova investigação de "rolezinhos" de Bolsonaro

Comissão aprovou requerimento pedindo informações sobre "deslocamentos do presidente Jair Bolsonaro pelo comércio de Brasília e arredores"

Carlos Mazza
15:36 | 29/04/2021
O senador Eduardo Girão (Podemos) é autor do requerimento que incluiu repasses federais a estados e municípios na CPI da Covid. (Foto: Mauri Melo/O POVO)
O senador Eduardo Girão (Podemos) é autor do requerimento que incluiu repasses federais a estados e municípios na CPI da Covid. (Foto: Mauri Melo/O POVO)

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid aprovou nesta quinta-feira, 29, requerimento do senador Eduardo Girão (Podemos-CE) cobrando que o Planalto envie ao grupo informações sobre “deslocamentos do presidente Jair Bolsonaro pelo comércio de Brasília e arredores” desde 1º de março do ano passado.

Desde o início da pandemia e da adoção de medidas de distanciamento, o presidente da República tem mantido costume de circular entre a população, especialmente em pequenos comércios como padarias ou estandes de feiras de rua. Na maioria das vezes, os “passeios” ocorrem sem o uso de máscara e com contato direto do presidente e populares.

No requerimento, Girão destaca que, segundo a Constituição Federal, "as condutas dos agentes públicos contraditórias às evidências científicas de preservação da vida não devem ser classificadas como atos administrativos legítimos, sequer aceitáveis".

Outros pedidos do cearense aprovados incluem o compartilhamento de inquéritos do Ministério Público Federal (MPF) sobre possíveis irregularidades em contratos do Consórcio Nordeste com uma empresa de venda de respiradores. Outras ações de Girão que miram em gestores cearenses, no entanto, ainda não foram analisadas pelo grupo.

Ao todo, o senador já apresentou 47 requerimentos à CPI da Covid. Entre eles, estão a convocação do ex-prefeito Roberto Cláudio (PDT), do secretário de Saúde do Ceará, Cabeto Martins, da ex-secretária de Saúde de Fortaleza, Joana Maciel, e do procurador-geral de Justiça do Ceará, Manoel Pinheiro.