Participamos do

Ex-assessores "fantasmas" de Bolsonaro receberam R$ 165 mil em auxílio

Investigações indicam pagamentos em gabinetes para servidores que não exerciam suas funções; entre 1991 e 2019, R$ 1 em cada R$ 4 da remuneração contabilizada foi destinado a pessoas sob suspeita.
11:03 | Abr. 26, 2021
Autor Filipe Pereira
Foto do autor
Filipe Pereira Repórter de Política
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Suspeitos de serem funcionários fantasmas, cinco ex-assessores do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), quando deputado federal, receberam R$ 165 mil somente em auxílios pagos pela Câmara dos Deputados. Investigados pelo Ministério Público do Rio de Janeiro, esses funcionários tiveram o sigilo bancário quebrado na investigação contra o senador e ex-deputado estadual Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), filho mais velho do presidente.

A informação foi revelada pelo jornal O Estado de S. Paulo com base em dados obtidos via Lei de Acesso à Informação (LAI).  Os dados apontam também indícios da prática de “rachadinha” no gabinete do presidente.

Os valores equivalentes aos auxílios eram os únicos que permaneciam nas contas dos assessores. O restante depositado pela Câmara era sacado em caixas eletrônicos. A prática é considerada indício da “rachadinha”, a devolução dos salários para o político que os nomeou.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

Flávio Bolsonaro já foi denunciado pelo Ministério Público por peculato, lavagem de dinheiro, organização criminosa e apropriação indébita pela “rachadinha” em seu gabinete na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj).

Ao quebrar o sigilo dos cinco ex-assessores, no período de 2007 a 2018, a investigação mostrou que os desvios teriam ocorrido quando eles trabalhavam para Bolsonaro. A família do presidente mantinha o hábito de trocar funcionários entre si. Um dos assessores ainda foi nomeado no gabinete do vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ).

Em março, uma reportagem do portal UOL mostrou que Fernando Nascimento Pessoa, Nelson Alves Rabello, Jaci dos Santos e Daniel Medeiros da Silva sacaram 72% do que receberam do gabinete de Bolsonaro. Já Nathália Queiroz transferiu 65% para o pai, o suposto operador do esquema de Flávio, Fabrício Queiroz.

Enquanto recebiam como funcionários, esses profissionais tinham outras profissões como cabeleireira, veterinário, babá e personal trainer, como é o caso de Nathalia Queiroz. Juntos, um total de 39 funcionários receberam um total de 16,7 milhões em salários brutos (o equivalente a R$ 29,5 milhões em valores corrigidos pela inflação do período) durante o período em que trabalharam com a família.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags