PUBLICIDADE
Política
NOTÍCIA

Após ser chamado de "vagabundo" por Bolsonaro, Dória diz que vai aplicar vacina antirrábica em presidente

Ataque de Bolsonaro aconteceu ontem, 7, durante jantar que reuniu ministros e 25 empresários de vários setores. Em discurso, Dória foi alvo de Bolsonaro por medidas de isolamento social adotadas em São Paulo

17:30 | 08/04/2021
O presidente Jair Bolsonaro proibiu ministros de atender a qualquer pedido do governador de São Paulo, João Doria (PSDB), seu adversário político. (Foto: Fotos: Agência Brasil)
O presidente Jair Bolsonaro proibiu ministros de atender a qualquer pedido do governador de São Paulo, João Doria (PSDB), seu adversário político. (Foto: Fotos: Agência Brasil)

Em reunião nesta quarta-feira, 7, com empresários em São Paulo, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) não poupou críticas ao governador João Dória (PSDB-SP). Repetindo palavras de baixo calão, o presidente classificou Dória como um “vagabundo”, em críticas às medidas que o governador tem assumindo para frear a pandemia no Estado. A informação é da coluna de Mônica Bergamo para a Folha de S.Paulo.

João Dória reagiu em mensagem publicada na tarde desta quinta-feira, no Twitter. "Calma, Jair Bolsonaro. Além da Coronavac, o Butantan é especialista na anti-rábica. Fique tranquilo, vou te vacinar".

O encontro desta quarta-feira aconteceu na residência de Washington Cinel, dono da companhia de segurança Gocil, e reuniu outros nomes da indústria e do mercado financeiro. A residência, localizada no Jardins, bairro nobre de São Paulo, serviu ainda de referência para um dos ataques proferidos por Bolsonaro a Dória, que mora nas proximidades. “O vizinho aqui de vocês é um vagabundo”, destacou.

O presidente reuniu-se com os empresários para discutir sobre as medidas de enfrentamento à pandemia e o programa de vacinação. A iniciativa do encontro partiu do próprio Palácio do Planalto, segundo informações.

Em discurso para os convidados, Bolsonaro concentrou suas críticas a João Dória e voltou a se opor às medidas de isolamento social. "O governador de vocês é um vagabundo, caralho", disse. Ainda segundo informações da colunista, não houve surpresa com a postura do presidente, que protagoniza embate com o governador de São Paulo publicamente desde o início da pandemia no País.

Bolsonaro teria dito ainda que Dória é um destruidor de vidas e que está acabando com os empregos, com o comércio e fechando os restaurantes, segundo relataram empresários ouvidos pela jornalista.

Também estavam presentes no encontro os ministros Fábio Faria (Comunicações), Marcelo Queiroga (Saúde), Tarcísio de Freitas (Infraestrutura) e Paulo Guedes (Economia), além de 25 empresários de vários setores.