PUBLICIDADE
Política
NOTÍCIA

Bolsonaro diz que 2021 será o "ano da vacinação de todos os brasileiros"

Em rápido pronunciamento de menos de cinco minutos, o presidente mudou tom no discurso, falou de desafios da nova vertente da Covid-19 no País e se solidarizou com vítimas da doença

Carlos Mazza
20:43 | 23/03/2021
Pronunciamento ocorreu às 20h30min desta terça-feira, 23 (Foto: REPRODUÇÃO)
Pronunciamento ocorreu às 20h30min desta terça-feira, 23 (Foto: REPRODUÇÃO)

Em pronunciamento em cadeia nacional de rádio e TV, o presidente Jair Bolsonaro disse na noite desta terça-feira, 23, que o governo pretende fazer de 2021 o “ano da vacinação de todos os brasileiros”. A fala ocorreu poucas horas após o Brasil registrar a pior marca de mortes por Covid-19 desde o início da pandemia, com 3.128 óbitos apenas nas últimas 24 horas.

Em tom diferente do que vinha usando nos últimos pronunciamentos, o presidente falou dos desafios da nova variante da Covid-19 no País, se "solidarizou com todos aqueles que tiveram perdas" e disse que sempre defendeu vacinas, desde que fossem aprovadas pela Agência de Vigilância Sanitária (Anvisa).

"Estamos fazendo e vamos fazer de 2021 o ano da vacinação dos brasileiros. Somos incansáveis na luta contra o coronavírus", disse. Focando ações do governo, o presidente minimizou o próprio papel que teve na crise. Apenas nos últimos meses, foram vários os episódios em que Bolsonaro minimizou a pandemia, criticou o uso de máscaras, se manifestou contra vacinas e provocou aglomerações, inclusive uma registrada no mês passado em Tianguá, no Norte cearense.

Veja íntegra do pronunciamento de Jair Bolsonaro:

Em vídeo gravado com o filho Eduardo Bolsonaro e divulgado em 20 de dezembro de 2020, o presidente disse que "pressa da vacina não se justifica" e que a pandemia já estaria "chegando ao fim". Um mês antes, em novembro de 2020, chegou também a "comemorar" após a Anvisa suspender testes com a CoronaVac.

"Mais uma que Jair Bolsonaro ganha", disse ainda, acusando ainda a vacina do Instituto Butantan de causar "morte e invalidez". A postura do governo passou a ficar mais favorável à vacinação após o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), anunciar início do plano de vacinação no Estado.

Em breve pronunciamento, de apenas cerca de cinco minutos, o presidente disse que, até o final do ano, está garantida a chegada de 500 milhões de doses de vacinas contra a Covid-19 no País. A fala ocorre em meio a um aumento de pressão sobre o governo após recordes de mortes e escassez de leitos de UTI, remédios para intubação de vacinas contra a Covid-19 em todo o País.

"Estamos no momento de uma nova variante do coronavírus, que infelizmente tem tirado a vida de muitos brasileiros. Desde o começo, eu falei que nós tínhamos dois grandes desafios: o vírus e o desemprego. E, em nenhum momento, o governo deixou de tomar medidas importantes tanto para combater o coronavírus, tanto para combater o caos na economia", diz Bolsonaro.