PUBLICIDADE
Política
NOTÍCIA

829 estudantes de medicina do Ceará assinam nota crítica a Bolsonaro e pró-lockdown

A nota, intitulada "Estudantes de Medicina Cearenses em defesa da Vida, da Ciência e do SUS", foi divulgada em resposta a um manifesto assinado por 219 médicos do Ceará em defesa de Jair Bolsonaro

Carlos Mazza
17:02 | 22/03/2021
Vacinação drive thru na Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), zona norte do Rio. A cidade do Rio de Janeiro retoma hoje (25) sua campanha de aplicação da primeira dose da vacina contra a covid-19 em idosos da população em geral. Hoje serão vacinados os idosos com 82 anos. (Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil)
Vacinação drive thru na Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), zona norte do Rio. A cidade do Rio de Janeiro retoma hoje (25) sua campanha de aplicação da primeira dose da vacina contra a covid-19 em idosos da população em geral. Hoje serão vacinados os idosos com 82 anos. (Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil)

Grupo de estudantes de Medicina do Ceará já reuniu 829 assinaturas em um abaixo-assinado que defende, entre outros pontos, o regime de lockdown como forma de achatar a curva de contágio no Estado.

A nota, intitulada "Estudantes de Medicina Cearenses em defesa da Vida, da Ciência e do SUS", foi divulgada em resposta a um manifesto assinado por 219 médicos do Ceará em defesa de Jair Bolsonaro. Divulgado na semana passada, o documento dos profissionais defende o chamado “tratamento precoce” e diz que o presidente é vítima de “perseguição”.

A nota dos estudantes, por outro lado, afirma que o Governo Federal tem "boicotado" medidas como o distanciamento social e o uso de máscaras, promovido disseminação de notícias falsas e apoiado "tratamentos ineficazes" contra o vírus.

"Bolsonaro contraria a ciência, debocha do luto das pessoas, promove aglomerações e age contra a vacinação", diz a nota, que destaca ainda o número excessivo de mudanças no Ministério da Saúde no último ano. "Enquanto os profissionais de saúde lutam diariamente, dão seu sangue, suor e lágrimas, bolsonaristas promovem manifestações atacando o lockdown e as medidas restritivas".

Por fim, o documento defende medidas como uma política mais incisiva de vacinação da população, adoção de medidas como lockdowns, o pagamento do auxílio emergencial e o retorno das atividades estudantis apenas após certo patamar de imunização no País.

A nota tem texto de autoria dos estudantes Christopher Falcão Correia, Diogo Augusto de Araújo dos Santos e Luiza Karolayne Rocha Rodrigues, da Universidade Federal do Ceará (UFC), e já foi assinada por 829 estudantes de universidades públicas e privadas.

Mobilização de médicos

Nos últimos dias, a classe médica cearense tem feito uma série de mobilizações em torno da questão. Divulgado com 219 assinaturas, o manifesto de médicos favoráveis a Bolsonaro já alcançou, segundo publicações dos organizadores nas redes sociais, mais de 500 assinaturas. Entre elas, está a do vice-reitor da UFC, Glauco Lobo.

Um movimento contrário, batizado de "Médicos Cearenses em defesa da vida, da ciência e do SUS", já coletou 1.113 assinaturas condenando postura do Governo Federal na pandemia. O documento exige inclusive a responsabilização do presidente pela atual escalada da pandemia no País.