PUBLICIDADE
Política
NOTÍCIA

Em julgamento de Moro no STF, Gilmar fala em "maior escândalo da história da Justiça do Brasil"

Tendência é de que Kássio Nunes Marques desempate um 2x2 em desfavor de ex-juiz da Lava Jato

Carlos Holanda
15:47 | 09/03/2021
A Operação Lava Jato cumpria um papel de combate à corrupção pontual que se desenhava, mas a partir do momento em que ela se converteu num movimento político, eu passei também a fazer críticas
A Operação Lava Jato cumpria um papel de combate à corrupção pontual que se desenhava, mas a partir do momento em que ela se converteu num movimento político, eu passei também a fazer críticas", afirma Gilmar Mendes (Foto: Fellipe Sampaio/SCO/STF)

Os membros da Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiram dar prosseguimento ao julgamento da suspeição de Sergio Moro na condução dos processos que envolviam o ex-presidente Lula (PT).  Neste momento, os votos estão divididos: Edson Fachin e Carmén Lúcia votaram para que Moro não seja declarado suspeito.

Gilmar Mendes se manifesta orientando voto pela suspeição de Moro. Para ele, trata-se na sessão do "maior escândalo da história da Justiça do Brasil". Ricardo Lewandowski e Kássio Nunes devem lhe acompanhar. Este último dará voto de minerva. 

Mendes foi enfático contra o ex-juiz, procuradores da República que compuseram a força-tarefa da Lava Jato e até mesmo setores da imprensa.

Ele disse: "A história recente do poder Judiciário ficará marcada pelo experimento de um projeto populista de poder político cuja tônica assentava-se na instrumentalização do processo penal, na deturpação dos valores da Justiça e na elevação mítica de um juiz subserviente a um ideal feroz de violência às garantias constitucionais do contraditório, da ampla defesa, da presunção da inocência e, principalmente, da dignidade da pessoa humana".

E emendou, comentando sobre o PT de Lula: "Eu não cheguei aqui pelas mãos do PT. E eu era considerado, como todos sabem, um tipo de opositor de algumas práticas do PT. Chegou-se a dizer que eu liderava uma bancada de oposição no STF. Portanto, eu sou insuspeito nessa matéria".

O que acontece?

Se Moro for considerado suspeito nos casos de Lula, todos os depoimentos e provas produzidas ao longo dos processos contra o petista tornam-se nulas. A Justiça Federal de Brasília, para onde os processos do petista irão, não poderá aproveitar os atos realizados no decorrer dos processos na 13ª Vara Federal em Curitiba.