PUBLICIDADE
Política
NOTÍCIA

Gilmar e Kassio votam para arquivar denúncia contra Lira no 'quadrilhão do PP'

17:50 | 02/03/2021

Os ministros Gilmar Mendes e Kassio Nunes Marques, do Supremo Tribunal Federal (STF), votaram nesta terça-feira, 2, para arquivar a denúncia de organização criminosa apresentada pela Procuradoria-Geral da República (PGR) contra o presidente da Câmara, Arthur Lira (Progressistas-AL) e outros parlamentares no caso conhecido como "quadrilhão do PP". Ainda faltam votar outros dois ministros da Segunda Turma: Cármen Lúcia e Ricardo Lewandowski.

Gilmar e Nunes Marques também acolheu outros recursos apresentados pela defesa dos deputados Aguinaldo Ribeiro (Progressistas-PB) e Eduardo da Fonte (Progressistas-PE) e o senador Ciro Nogueira (Progressistas-PI), defendendo o arquivamento da denúncia também para esses parlamentares. Um dos líderes do Centrão, Ciro Nogueira deu a bênção para a indicação de Nunes Marques ao STF.

"A acusação formulada pela PGR concentra-se em fatos investigados em outros inquéritos. Todos os fatos investigados já foram arquivados pela própria PGR ou rejeitados nesta Corte", disse o ministro Gilmar Mendes, ao alegar que as provas usadas na acusação eram frágeis, baseadas em versões de delatores e "recicladas" de outras investigações já arquivadas.

"No caso em questão, salta aos olhos a engenhosa artificialidade da acusação, já que não há nenhuma razão que sustente a persistência da organização criminosa até a data do protocolo da denúncia."

Em um voto de 46 páginas, Gilmar destacou ainda mensagens privadas atribuídas a integrantes da hoje extinta força-tarefa da Lava Jato em Curitiba, obtidas por hackers que entraram na mira da Justiça. Nas conversas, o grupo discutiu a estratégia em torno da construção da denúncia.

"As recentes revelações de diálogos, quer lícitos ou não, sugerem que a apresentação da denúncia nos presentes autos era tão somente um ‘pé de apoio’ para um projeto político próprio do Ministério Público que perpassava justamente essa estratégia de deslegitimação do establishment partidário para, talvez no futuro, apresentar-se como solução: instaurar o caos para afiançar a moralidade", frisou.

Na denúncia, Lira é acusado de receber R$ 1,6 milhão de propina paga pela Queiroz Galvão e de ser beneficiado com R$ 2,6 milhões de vantagens indevidas por meio de doações eleitorais "oficiais" realizadas pela UTC Engenharia.

O relator da Lava Jato no STF, Edson Fachin, já votou contra os recursos dos investigados, mas pediu para se manifestar novamente após a leitura do voto de Gilmar Mendes. Fachin reiterou a posição contrária ao acolhimento dos recursos dos parlamentares. "Não há omissões, contradições ou obscuridades (na decisão que aceitou a denúncia)", disse.

Tudo o que sabemos sobre: Arthur LiraSTFGilmar Mendes