PUBLICIDADE
Política
NOTÍCIA

Flávio Bolsonaro explica compra de mansão em Brasília, ataca imprensa e aciona GSI

O senador disse que conseguiu o dinheiro para dar entrada na casa de R$ 6 milhões após vender um imóvel e uma franquia no Rio de Janeiro

13:28 | 02/03/2021
Imagem aérea da nova mansão de Flávio Bolsonaro, localizada em bairro nobre de Brasília (Foto: DIVULGAÇÃO)
Imagem aérea da nova mansão de Flávio Bolsonaro, localizada em bairro nobre de Brasília (Foto: DIVULGAÇÃO)

O senador Flávio Bolsonaro (Republicanos) quebrou o silêncio e tentou explicar, nesta terça-feira, a compra de uma mansão em Brasília, no valor de quase R$ 6 milhões. A aquisição do imóvel, próximo ao Lago Paranoá - área nobre da cidade -, foi revelada pelo site O Antagonista.

Segundo o filho mais velho do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), tudo foi feito de forma legal. Ele afirmou ainda que a imprensa tentar criar "uma narrativa criminosa em cima de uma simples compra e venda de imóvel". "Eu já sabia que isso poderia acontecer, porque é comigo, mas não vou deixar de fazer nada na minha vida por medo de como a imprensa vai explorar ou distorcer isso", disse Flávio em vídeo divulgados em suas redes sociais.

Sobre como conseguiu o dinheiro para viabilizar a compra, ele afirmou que vendeu um imóvel no Rio de Janeiro e também uma franquia na mesma cidade. No caso, uma loja da empresa de chocolates Kopenhagen, que, segundo investigações, seria uma forma de Flávio lavar dinheiro dentro do chamado esquema das “rachadinhas”.

O valor dessas vendas, de acordo com o senador, serviu para dar entrada no imóvel. O restante teria sido fruto de um financiamento bancário, com "taxa aprovada, conforme regimento familiar, como qualquer pessoa no Brasil pode fazer". Em relação ao fato de não ter sido identificado o contrato de venda e compra do imóvel, Flávio disse que em breve uma escritura pública estará disponível. "Está na fase de elaboração das certidões para que possam instruir essa escritura pública", sublinhou.

Por fim, reclamou que a exposição do caso, com divulgação do endereço do imóvel milionário, colocou em risco a segurança de sua família. Por isso, acionou o Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República (GSI), que garante a proteção de todos os membros da família do presidente. "Já oficiei o GSI, que é o órgão responsável aqui pela segurança da família do presidente, pra que intensifique a segurança aqui no entorno da minha residência".

Detalhes
Conforme registrado no 1.º Ofício de Registro de Imóveis do Distrito Federal, em 2 de fevereiro, o imóvel foi comprado por R$ 5,97 milhões. A nova casa do filho do presidente Jair Bolsonaro fica localizada no setor de Mansões Dom Bosco, no Lago Sul, bairro nobre da capital federal, e foi vendida em anúncio como "a melhor vista de Brasília da suíte master". A casa tem 1,1 mil m², com quatro suítes, academia, piscina e spa com aquecimento solar.

O salário bruto de um senador é de R$ 33.763, que, após descontos, cai para R$ 24,9 mil. O valor do novo imóvel é mais que o triplo do total de bens declarados por Flávio à Justiça Eleitoral em 2018, quando disputou uma vaga no Senado. Naquela ocasião, Flávio declarou um total de bens de R$ 1,74 milhão, incluindo um apartamento residencial na Barra da Tijuca, no Rio (R$ 917 mil), uma sala comercial no mesmo bairro (R$ 150 mil), 50% de participação da empresa Bolsotini Chocolates (uma franquia da Kopenhagen, de R$ 50 mil), um veículo Volvo XC (R$ 66,5 mil) e aplicações e investimentos que somavam R$ 558,2 mil.

O senador e seu sócio entregaram a loja de chocolates após o estabelecimento entrar no radar da investigação do Ministério Público. A franquia da Kopenhagen é apontada pela Promotoria como uma forma de o senador lavar dinheiro supostamente desviado da Assembleia Legislativa do Rio quando era deputado estadual. Ele nega.

As condições do financiamento do imóvel de Flávio no Banco de Brasília (BRB), no valor de R$ 3,1 milhões, são vantajosas na comparação com simuladores de outras instituições financeiras. A título de exemplo, em outro banco, ele obteria uma taxa mínima de 5,39% ao ano. Para financiar R$ 3,1 milhões, teria de arcar com uma parcela inicial de R$ 23.222,93, considerando valor do imóvel, entrada, idade do senador, seguros e taxa de administração. Isso consumiria quase todo o ganho líquido de Flávio, de R$ 24,9 em fevereiro.

De acordo com o simulador do BRB, com uma renda mínima acima de R$ 46 mil, um financiamento de R$ 3,1 milhões teria prestações iniciais acima de R$ 18 mil, o que representa mais de 70% da remuneração líquida do senador. O BRB é uma instituição financeira do governo do Distrito Federal, comandado por Ibaneis Rocha (MDB), aliado da família Bolsonaro.

A aquisição do imóvel foi noticiada no mesmo dia em que o Superior Tribunal de Justiça retirou da pauta recursos da defesa de Flávio que podem anular toda a investigação sobre as "rachadinhas" na Alerj. Ele é acusado de comandar esquema que teria desviado R$ 6,1 milhões.