PUBLICIDADE
Política
Noticia

Um dia antes de vir ao Ceará, Bolsonaro critica o uso de máscaras

Presidente da República afirmou ainda que não estraria em detalhes sobre o assunto porque "tudo deságua em críticas em cima" dele e que "aguarda um estudo mais aprofundado sobre"

09:57 | 26/02/2021
Presidente Jair Bolsonaro durante live desta quinta-feira, 26 (Foto: Reprodução/Youtube)
Presidente Jair Bolsonaro durante live desta quinta-feira, 26 (Foto: Reprodução/Youtube)

Durante sua já tradicional live das quintas-feiras, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) questionou o uso de máscaras como medida preventiva contra a Covid-19, mesmo com a ciência já tendo comprovado a importância desse tipo de material. A fala surge um dia antes de Bolsonaro vir ao Ceará para eventos de inauguração de obras e assinatura de ordens de serviço, e que devem gerar aglomerações de pessoas.

"Pessoal, começam a aparecer estudos aqui, não vou entrar em detalhes, sobre o uso de máscara, que, num primeiro momento aqui, uma universidade alemã fala que elas são prejudiciais a crianças e levam em conta vários itens aqui como irritabilidade, dor de cabeça, dificuldade de concentração, diminuição da percepção de felicidade, recusa em ir para a escola ou creche, desânimo, comprometimento da capacidade de aprendizado, vertigem, fadiga... Então começam a aparecer aqui os efeitos colaterais das máscaras, tá ok?", afirma o presidente, sem informar o nome desse suposto estudo nem a universidade que o teria realizado.

Bolsonaro afirmou ainda que não estraria em detalhes sobre o assunto porque "tudo deságua em críticas em cima" dele e que "aguarda um estudo mais aprofundado sobre". Já é praxe do presidente não usar máscaras em eventos público, se posicionar contra o isolamento social e defender uso de remédios sem eficácia comprovada.

Por esse motivo, o Ministério Público Federal (MPF) chegou a pedir a suspensão dos eventos que possam gerar aglomerações, durante visita do chefe do Planalto ao Ceará.

A colocação do presidente foi feita ainda no dia em que o País registrou recorde no número de mortes em 24 horas, por conta da Covid-19: 1.583 pessoas perderam a vida no dia mais letal da pandemia.

Além de não trazer elementos que embasem esse tipo questionamento sobre o uso das máscaras, Jair Bolsonaro contraria ainda uma orientação de seu próprio governo. O Ministério da Saúde recomenda o uso da proteção facial como uma das principais formas de combater a disseminação do novo coronavírus.

"Recomenda-se a utilização de máscaras em todos os ambientes. As máscaras de tecido (caseiras/artesanais), não são Equipamentos de Proteção Individual (EPI), mas podem funcionar como uma barreira física, em especial contra a saída de gotículas potencialmente contaminadas", orienta a pasta em seu portal, que ensina ainda a como confeccionar o material.

A eficácia da máscara na proteção da população também é defendida pela Organização Mundial da Saúde (OMS).