PUBLICIDADE
Política
NOTÍCIA

Prefeitura de Maracanaú adere a programa de escolas cívico-militares do Governo Federal

A intenção segue a esteira de projeto do Governo Federal, já adotado por alguns municípios brasileiros. O programa cívico-militar prevê a atuação de equipe de militares da reserva (sejam policiais, bombeiros ou membros das Forças Armadas) na administração escolar

Filipe Pereira
18:45 | 26/01/2021
Prefeito de Maracanaú, Roberto Pessoa (PSDB), assina adesão ao Programa Nacional das Escolas Cívico-Militares do Ministério da Educação
 (Foto: Reprodução/Prefeitura de Maracanaú)
Prefeito de Maracanaú, Roberto Pessoa (PSDB), assina adesão ao Programa Nacional das Escolas Cívico-Militares do Ministério da Educação (Foto: Reprodução/Prefeitura de Maracanaú)

O prefeito de Maracanaú, Roberto Pessoa (PSDB), assinou na terça-feira, 26, o termo de adesão ao Programa Nacional das Escolas Cívico-Militares. A iniciativa é do Ministério da Educação, em parceria com o Ministério da Defesa. O objetivo é receber uma unidade da Escola Cívico-Militar do Governo Federal e, com recursos próprios, instalar mais seis unidades no Município, totalizando sete unidades educacionais.

A solenidade de assinatura contou com a presença do secretário de Educação, George Valentim, do secretário de Governo, Ítalo Camurça, e de técnicos municipais. “Iremos transformar seis escolas de tempo integral do Município no modelo cívico-militar”, destacou Pessoa. Segundo o secretário de Defesa Social, Coronel Castelo Branco, com a adesão ao Programa, a Cidade deve receber cerca de R$ 1 milhão em investimentos para a unidade. 

LEIA MAIS l Colégios militares serão implementados em Sobral e Maracanaú

A intenção segue a esteira de projeto do Governo Federal, já adotado por alguns municípios brasileiros. O programa cívico-militar prevê a atuação de equipe de militares da reserva (sejam policiais, bombeiros ou membros das Forças Armadas) na administração escolar.

Diferentemente das escolas puramente militares, totalmente geridas pelo Exército, nesse desenho as secretarias de Educação continuam com a responsabilidade do currículo, mas estudantes precisam usar fardas e seguir as regras definidas por militares.

No início de janeiro, a Secretaria da Educação do Estado de São Paulo afirmou que abrirá chamada para selecionar escolas interessadas em adotar o modelo cívico-militar proposto pelo governo Bolsonaro. Em dezembro de 2020, a governador de Santa Catarina, Daniela Reinehr, também anunciou adesão da rede estadual catarinense no plano.