PUBLICIDADE
Política
NOTÍCIA

PT de Fortaleza oficializa oposição à gestão de Sarto

Em nota, partido afirma que deve dialogar com futura gestão quando preciso e manterá o enfrentamento de pautas ultra reacionárias no parlamento.

21:37 | 29/12/2020
FORTALEZA, CE, BRASIL,17.11.2020: Guilherme Sampaio, vereador eleito do PT.PT anuncia apoio a candidatura de Sarto (PDT) para o segundo turno.      (Fotos: Fabio Lima/O POVO) (Foto: FÁBIO LIMA/O POVO)
FORTALEZA, CE, BRASIL,17.11.2020: Guilherme Sampaio, vereador eleito do PT.PT anuncia apoio a candidatura de Sarto (PDT) para o segundo turno. (Fotos: Fabio Lima/O POVO) (Foto: FÁBIO LIMA/O POVO)

O Partido dos Trabalhadores de Fortaleza decidiu nesta terça-feira, integrar parte da bancada de oposição ao Governo do prefeito eleito, José Sarto (PDT). A decisão foi tomada após reunião entre 29 integrantes do diretório municipal do partido. A posição a ser tomada na Câmara Municipal de Fortaleza (CMFor) já tinha sido adiantada por alguns parlamentares do partido nas últimas semanas.

Segundo o presidente do PT em Fortaleza, Guilherme Sampaio, o partido manterá uma "oposição qualificada ,pela esquerda, e aberta ao diálogo com o campo progressista” e com a futura administração. “Reforço a responsabilidade do PT sempre que for necessário barrar as pautas ou projetos ultra reacionários como temos visto surgir na Câmara, inclusive foi esse entendimento que nos levou no segundo turno a apoiar Sarto no segundo turno”, afirmou.

A posição já tinha sido adiantada na última segunda-feira, 28, pelo vereador reeleito do partido, Ronivaldo Maia. "Por que vamos emprestar nossa presença? Eu acho que o PT tem que ficar na oposição porque há uma rejeição. O governo é Sarto, mas quem é Sarto? Na prática, como por trás do Sarto estão os Ferreira Gomes, é por isso que o PT pensa duas vezes em colocar seu patrimônio para defender um projeto político deles", disse. 

Em resolução, o diretório municipal da legenda afirmou, em nota, que a decisão apoia-se em “sua identidade popular” e o reconhecimento ao legado da administração e atuação da bancada no parlamento. O texto defende ainda que, devido ao "ataque midiático” e fake news promovidos contra o partido em todo o Brasil - e das dificuldades de composição de alianças à esquerda no primeiro turno - o partido “deposita esperança de um projeto popular e democrático em Fortaleza”.

Algumas forças políticas que divergiam da tese não compareceram ao encontro. Dentre elas, estão os deputados federais José Guimarães e José Aírton e o deputado estadual Acrísio Sena, que defendiam que a sigla fizesse composição com Sarto, com eventual indicação de nomes para a gestão. Em contrariedade à decisão, estes e outros integrantes do partido divulgaram um abaixo-assinado para recorrer a instancia estadual do partido para rever a decisão.

"Lamentavelmente uma decisão fragmentada da direção municipal do PT Fortaleza, acabou por definir de forma precipitada o posicionamento político do partido no município e desconsiderou o diálogo com lideranças e setores importantes", afirma o documento. Ainda segundo a nota, adecisão proferida é "afrontosa ao diálogo democrático" promovido pelo partido.

Para o deputado Acrísio Sena, o movimento partidário "desconsidera a vocação democrática do partido”. “Ela desconsidera também uma decisão tática do partido de apoiar Sarto no segundo turno para derrotar as forças bolsonaristas. Isso tem um desdobramento para 2022 e para mais municípios do Ceará e não leva em consideração uma solicitação do governador que pediu um tempo para aprofundar o debate”, diz.

Além da contar com o nome de três parlamentares, o abaixo-assinado também conta com apoio de outros nove membros do diretório municipal do partido, pela vice-presidente do PT Fortaleza, Liliane Araújo, e pelo Vice-presidente do PT Ceará, Jonas Dezidoro. 

A oposição também vai contra a tentativa do governador Camilo Santana (PT), que já se manifestou a favor da aliança com o prefeito eleito e sucessor de Roberto Cláudio (PDT). No campo político, o petista vem dedicando-se à articulação com o PDT na Capital desde antes das eleições de 2020. Apesar da tentativa, ele reforçou, nesta terça-feira, durante entrevista à Rádio O POVO CBN, que deve respeitar as decisões partidárias.