PUBLICIDADE
Política
NOTÍCIA

Oito de dez candidaturas à Prefeitura de Fortaleza foram registradas até esta segunda

Prazo para registro de candidaturas se estende até o próximo sábado, dia 26. Luizianne Lins e Heitor Férrer ainda não deram entrada na Justiça Eleitoral

Carlos Holanda
17:03 | 21/09/2020
Paço Municipal de Fortaleza  (Foto: Sandro Valentim em 03-12-2019)
Paço Municipal de Fortaleza (Foto: Sandro Valentim em 03-12-2019)

De um total de dez postulantes homologados para disputar a Prefeitura de Fortaleza, oito já registraram a candidatura junto à Justiça Eleitoral. O número cresceu nesta segunda-feira, 21, com cinco novos pedidos.

Até o último domingo, 20, somente Capitão Wagner (Pros), Sarto (PDT) e Samuel Braga (Patriota) haviam dado entrada com a documentação. Os dados podem ser conferidos aqui.

Veja aqui o patrimônio de Sarto (PDT) e Capitão Wagner (Pros)

Agora, apenas as candidaturas de Luizianne Lins (PT) e Heitor Férrer (SD) estão com as formalizações pendentes. O prazo para registro se encerra no próximo sábado, dia 26. A campanha começa domingo, 27.

O candidato Heitor Freire (PSL) teve redução patrimonial de R$ 56,2%, aproximadamente, com os R$ 447 mil declarados neste ano. Em 2018, quando se elegeu à Câmara dos Deputados, ele havia registrado R$ 1,09 milhão em bens.

Dois automóveis presentes na penúltima lista (um de R$ 90 mil e outro de R$ 10 mil) não apareceram na relação atual. Na lista de 2018, Freire declarou imóvel de R$ 650 mil. Na atual, um imóvel informado está avaliado em R$ 385 mil. 

Renato Roseno (Psol), por sua vez, teve salto patrimonial de cerca de 203,4%. Porém, o valor considera como patrimônio um apartamento que ele ainda está pagando. Descontado o saldo devedor, que ele ainda irá pagar, o aumento de patrimônio é de 49,8%. Dos R$ 123,04 mil declarados em 2018, os valores pularam para R$ 184.313,24. Se for considerado o valor global do imóvel ainda por ser quitado, o valor vai para R$ 373,3 mil neste ano. Ele também declarou um Volkswagen modelo Jetta 2016, adquirido via consórcio.

O candidato Célio Studart (PV) declarou R$ 15,4 mil, consistidos em um Fiat Uno ano 2011/2012 e uma poupança de R$ 3,9 mil. Um leve acréscimo de cerca de 33,9% em relação aos R$ 11,5 mil informados por ele à Justiça em 2018. Àquele ano, Studart declarou somente um Fiat Uno Mille de 2011. 

Já Anízio Melo (PCdoB) informou ter apartamento na planta financiado, com previsão de recebimento para 2023, no valor de R$ 300 mil. Quando tentou ser deputado federal dois anos atrás, o professor não havia declarado bens. 

Assim como ele fez em 2018, Paula Colares (UP) e Samuel Braga (Patriota) já registraram as candidaturas sem a detalhação do patrimônio.