PUBLICIDADE
Política
NOTÍCIA

Trump diz que classificará 'Antifa' como grupo terrorista

O presidente e alguns de seus principais assessores culparam o Antifa e grupos que eles chamam de "extrema esquerda" por se apropriarem protestos pacíficos contra abusos policiais após a morte de um negro em Minneapolis

17:08 | 31/05/2020
Donald Trump, presidente dos EUA (Foto: Ludovic MARIN / AFP)
Donald Trump, presidente dos EUA (Foto: Ludovic MARIN / AFP)

O presidente Donald Trump disse neste domingo que os Estados Unidos classificarão o movimento Antifa como um grupo terrorista depois de culpá-lo pelos protestos nas cidades dos país.

"Os Estados Unidos da América designarão o ANTIFA como organização terrorista", anunciou Trump no Twitter, sem dar mais detalhes.

O presidente e alguns de seus principais assessores culparam o Antifa e grupos que eles chamam de "extrema esquerda" por se apropriarem protestos pacíficos contra abusos policiais após a morte de um negro em Minneapolis.

Os tumultos em todo o país em dezenas de cidades foram desencadeados pela morte do cidadão negro desarmado, George Floyd, durante sua prisão na segunda-feira.

Em uma série de tuítes, o presidente dos EUA também parabenizou as tropas da guarda nacional por restaurar a ordem no sábado em Minneapolis, depois de dias de agitação.

"Os anarquistas liderados pelo ANTIFA, entre outros, foram detidos rapidamente. Isso deveria ter sido feito pelo prefeito na primeira noite e não haveria problemas!", tuitou Trump.

O presidente americano se referiu a Jacob Frey, prefeito democrata de Minneapolis, onde o vídeo chocante da morte de Floyd - depois que um policial o imobilizou ajoelhando-se em seu pescoço - gerou comoção em todo o país, além de protestos em outras partes do mundo.

Derek Chauvin, o policial que manteve o joelho sobre o pescoço de Floyd, foi demitido e acusado de homicídio em terceiro grau.

O Antifa - o nome é uma contração para antifascista - é um agrupamento secreto de ativistas radicais que surgiu nos últimos anos, em parte em oposição às manifestações racistas em Charlottesville, Virgínia, em 2017.

Não se sabe se o movimento conta lideranças. Seus membros, geralmente vestidos de preto, protestam contra o racismo, os valores de extrema direita e o que consideram fascismo, e dizem que táticas violentas às vezes são justificadas para autodefesa.

O FBI define como terroristas domésticos aqueles que promovem "o uso ilegal ou ameaçado de violência contra pessoas ou propriedades a fim de intimidar ou coagir um governo, a população civil ou qualquer segmento dele, em defesa da política ou objetivos sociais".

sl/bbk/bgs/cc