PUBLICIDADE
Política
Noticia

Sarto diz que "e dai?" de Bolsonaro é lamentável e que presidente dá "péssimos exemplos"

Na terça-feira, 28, o chefe do Executivo federal foi perguntado sobre o recorde de mortes por coronavírus em 24 horas e respondeu: "E daí? Lamento. Quer que eu faço o quê?". Presidente da Assembleia Legislativa ldo Ceará lamentou a postura

Carlos Holanda
16:14 | 29/04/2020
José Sarto, presidente da ALCE
José Sarto, presidente da ALCE (Foto: ARQUIVO)

O presidente do Legislativo do Ceará, José Sarto (PDT), foi mais um a criticar o "e daí?" oferecido pelo presidente da República Jair Bolsonaro (sem partido) como resposta a pergunta sobre o Brasil ter atingido novo recorde de mortes diárias por coronavírus nessa terça-feira, 29. "E daí? Lamento. Quer que eu faça o quê? Eu sou Messias, mas não faço milagre", afirmou, o capitão reformado, numa postura considerada lamentável para Sarto.

“Não quero partidarizar, mas a resposta do presidente mostra um completo desdém pelo que está acontecendo. O nosso País ultrapassou o número de mortos da China e, ao invés de coordenar a luta contra a pandemia, o chefe da Nação se porta dessa maneira lamentável”, disse Sarto durante sessão remota.

Dentre os 46 deputados da Assembleia Legislativa, pelo menos dois são abertamente apoiadores do presidente: André Fernandes e Delegado Cavalcante, ambos do PSL, ex-partido de Bolsonaro. O Brasil registrou 474 mortes pelo vírus. O Ceará é um dos estados mais afetados, conforme registra a Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa-CE), são mais de 7 mil casos confirmados, com 422 mortes.

Diante do quadro que se agrava a cada dia, o Estado tem adotado o isolamento social como medida para contenção da patologia. A política é desencorajada por Bolsonaro, que demonstra preocupação com os impactos econômicos da medida. "Dá péssimos exemplos ao pleno vigor do isolamento social, indo às ruas, ao encontro de aglomerações, numa contramão bem evidente das orientações das autoridades sanitárias”, disse o deputado sobre os movimentos do presidente.

 

Acesse a cobertura completa do Coronavírus >