PUBLICIDADE
Política
NOTÍCIA

"Não sou e nunca fui", diz Janaína Paschoal ao refutar título de "bolsonarista"

As declarações1, via Twitter, foram dadas após ela ser acusada por apoiadores de Bolsonaro de "caronista" e "traidora"

Neto Ribeiro
15:04 | 17/02/2020
Janaína Paschoal foi figura proeminente no processo de impeachment de Dilma Rousseff.
Janaína Paschoal foi figura proeminente no processo de impeachment de Dilma Rousseff. (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

A deputada estadual Janaína Paschoal (PSL-SP) disse nesta segunda-feira, 17, que não é e nunca foi "bolsonarista", uma vez que - de acordo com a publicação da autora do processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) -, ela havia prometido fidelidade ao Brasil e não ao presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido).

Na sequência de quatro tuítes publicados em sua conta na rede social, Janaína elucidou que - durante uma convenção do PSL realizada no Rio de Janeiro, então partido de Bolsonaro -, ela havia declarado apoio ao ainda candidato, por entender que ele seria "o único com condições de vencer o PT".

"O discurso foi público, veiculado para o Brasil inteiro e, sabidamente, incomodou muito os bolsonaristas, algo que eu nunca fui e nunca disse ser. Jamais menti ao então candidato e ao agora Presidente", escreveu a advogada. Janaína também afirmou que os "bolsonaristas" são pessoas que "não passam de petistas ao contrário".

As declarações, via Twitter, foram dadas após ela ser acusada por apoiadores de Bolsonaro de "caronista" e "traidora". Ela, inclusive, recomendou que seus críticos resgatassem o discurso dela durante a convenção do partido. A deputada também ressaltou que vê com reservas pessoas que permitem serem adjetivadas. "Se os bolsonaristas fossem inteligentes, não atacariam quem apoiou e apoia o Presidente deles. Nesse ponto, os petistas, por mais cegos que sejam, dão um baile nesse pessoal", finalizou.