PUBLICIDADE
Política
NOTÍCIA

Vereador registra B.O e solicitará proteção policial após ser ameaçado na Câmara

Marcio Cruz disse ainda que entrará com requerimento junto às autoridades responsáveis solicitando proteção da Guarda Municipal e da Polícia

19:06 | 04/02/2020
Vereador Márcio Cruz
Vereador Márcio Cruz (Foto: CÂMARA MUNICIPAL/DIVULGAÇÃO)

O vereador Marcio Cruz (PSD) informou que já fez Boletim de Ocorrência (B.O) no 26º Distrito Policial, após sofrer ameaças do agora ex-secretário da Segurança Cidadã, Antônio Azevedo, na manhã desta terça-feira, 4, na tribuna da Câmara Municipal de Fortaleza. Na ocasião, Azevedo interrompeu o pronunciamento de outro vereador, Plácido Filho (PSDB), e esbravejou: "Cadê o vagabundo do Márcio Cruz? (...) Eu vou quebrar a cara dele”. Cruz já havia deixado o plenário da Casa no momento do ocorrido.

O parlamentar afirmou ainda que entrará com requerimento solicitando proteção da Guarda Municipal e da Polícia para si e para sua família. “Me sinto totalmente ameaçado pela postura do secretário Azevedo, todo mundo ouviu ele falando que ia quebrar minha cara e me chamando de vagabundo. E digo mais, se acontecer algo comigo ou com minha família, ponho a responsabilidade nele”, afirmou.

Boletim de Ocorrência feito pelo vereador Márcio Cruz
Boletim de Ocorrência feito pelo vereador Márcio Cruz (Foto: Reprodução)

Marcio Cruz disse que está aguardando uma reunião com o prefeito, para pedir que ele autorize a escolta pessoal pela guarda municipal. Segundo ele, a postura do então secretário é perigosa, dentre outras coisas, porque afeta quem está na ponta. "Será que o guarda municipal, por exemplo, não vai se sentir no direito de fazer algo parecido vendo alguém em posição superior tendo esse tipo de comportamento? Não vou esperar o governo, já estamos tomando algumas providências, como solicitar serviços de segurança particular", pontua.

O vereador afirmou que continuará trazendo denúncias à Casa e que a ação de Azevedo foi um desrespeito não apenas pessoal, mas com a democracia e com o parlamento. "Se ele se sentiu ofendido, há meios legais para transitar. Ele não tem perfil psicológico ou emocional para comandar uma pasta de segurança pública”, concluiu.

O POVO tentou contato com o ex-secretário da Segurança Cidadã, Antônio Azevedo, mas até o momento da conclusão dessa matéria as ligações não foram atendidas.