PUBLICIDADE
Política
NOTÍCIA

MPCE investiga supostos funcionários fantasmas na Câmara de Juazeiro do Norte

Segundo O POVO Online apurou, dois promotores e dois assessores do órgão estiveram no local nesta sexta-feira, 12, conferindo a frequência dos servidores

20:20 | 12/04/2019

O Ministério Público do Ceará (MPCE) estaria investigando funcionários fantasmas na Câmara Municipal de Juazeiro do Norte. Segundo O POVO Online apurou, dois promotores e dois assessores do órgão estiveram no local nesta sexta-feira, 12, conferindo a frequência do servidores.

Segundo a assessoria do MPCE, o órgão, por meio da 15ª Promotoria de Justiça de Juazeiro do Norte, não deflagrou operação, mas realizou uma diligência na Câmara Municipal de Juazeiro do Norte para buscar informações como parte de um procedimento investigatório.

Na nota enviada pelo Ministério Público, não foi exposto se a investigação é sobre funcionários fantasmas, já que as apurações ainda estão em andamento. Os promotores de Justiça só deverão se pronunciar em momento oportuno, a fim de que as investigações não sejam prejudicadas.

Conforme afirmou Darlan Lobo (PMDB), presidente da Mesa Diretora da Câmara, dois promotores e dois assessores do MPCE estiveram na Câmara nesta sexta, 12, quando conferiram se os servidores estavam ou não trabalhando. Segundo ele, a atividade deles se limitou a conferir a frequência dos funcionários do local.

"Farra das vassouras"

Houve um escândalo envolvendo uma compra superfaturada de materiais de limpeza na Câmara Municipal de Juazeiro do Norte em 2015. Foi denunciada a compra de 4,2 mil vassouras, 2,5 mil quilos de sabão em pó, 33 mil unidades de palha de aço, 1.428 unidades de água sanitária, 125 mil palitos de dente e 312 unidades de óleo de peroba entre fevereiro e março daquele ano. O episódio ficou conhecido como "farra das vassouras".

Após a exposição, quatro vereadores renunciaram ao cargo, incluindo o presidente da Mesa Diretora à época, Antônio de Lunga (PSC), apontado pelo MPCE e pela Polícia Civil como autor do superfaturamento.

Izadora Paula