PUBLICIDADE
Política
EDUCAÇÃO

12 dias atrás, Bolsonaro disse que demissão de ministro era "fake news"

Menos de duas semanas antes de a demissão ser oficializada, a jornalista Eliane Catanhêde trouxe a informação de que a queda de Vélez era questão de tempo, horas ou dias. Ela foi atacada pelo presidente e pelo então ministro

13:37 | 08/04/2019
Brazilian President Jair Bolsonaro salutes, during the new general officers' promotion ceremony at the Planalto Palace in Brasilia, on April 5, 2019. - Bolsonaro completes his first 100 days of government next April 10. (Photo by EVARISTO SA / AFP)
      Caption
Brazilian President Jair Bolsonaro salutes, during the new general officers' promotion ceremony at the Planalto Palace in Brasilia, on April 5, 2019. - Bolsonaro completes his first 100 days of government next April 10. (Photo by EVARISTO SA / AFP) Caption(Foto: EVARISTO SA / AFP)

A informação de que Ricardo Vélez Rodrigues seria demitido do cargo de ministro da Educação foi antecipada pela jornalista Eliane Cantanhêde, no canal de TVC por assinatura Globonews. Na ocasião, o presidente e o ministro atacaram a jornalista. Bolsonaro disse que se tratava de nova fake news. A decisão foi tomada nesta segunda-feira, 8, confirmando o que a jornalista havia informado.

"O presidente Jair Bolsonaro tomou a decisão de demitir o ministro Ricardo Vélez Rodrigues, disse Catanhêde na Globonews. "É uma questão de tempo. Pode ser em horas, pode ser em dias", disse a jornalista no ar.

"Sofro fake news diárias como esse caso da 'demissão' do Ministro Velez. A mídia cria narrativas de que NÃO GOVERNO, SOU ATRAPALHADO, etc. Você sabe quem quer nos desgastar para se criar uma ação definitiva contra meu mandato no futuro. Nosso compromisso é com você, com o Brasil".

O ministro retuitou a mensagem do presidente e escreveu no Twitter: "O jornalismo brasileiro se põe raivoso por estar, pela primeira vez, sem poder barganhar às custas de trocas de favores. Meu compromisso é com os brasileiros e seus representantes. Os veículos que busquem outras fontes de financiamento".

Vélez não ficou nem duas semanas no cargo após o episódio. A demissão veio 12 dias depois.

Redação O POVO Online