PUBLICIDADE
Política
Minas Gerais

Defesa entrega laudo de insanidade mental de Adélio Bispo, autor de facada em Bolsonaro

O processo contra Adélio está suspenso até que sua condição mental seja atestada.

22:19 | 12/03/2019
Documentos vão ao encontro dos laudos oficiais, que apontam para doença mental do réu
Documentos vão ao encontro dos laudos oficiais, que apontam para doença mental do réu

A defesa de Adélio Bispo de Oliveira entregou nesta terça-feira, 12, à Justiça Federal, novos laudos médicos indicando doença mental do autor do ataque a golpe de faca contra Jair Bolsonaro, em setembro passado. Apresentado ao juiz do processo em Juiz de Fora, Minas Gerais, a avaliação segue a mesma linha dos laudos oficiais, que apontam para insanidade mental do réu.

De acordo com a Folha de S. Paulo, o advogado de Adélio, Zanone Manuel de Oliveira Júnior, declarou que os documentos apresentados pela defesa, assim como os oficiais, “convergem” e indicam “um ponto comum”. Segundo a publicação, no entanto, Zanone teria se recusado a informar qual doença apontada pelos especialistas.

“É o que o Brasil quer saber. Não posso falar porque está sob sigilo”, afirmou o advogado ao jornal paulista. Contratada pela defesa, a perícia médica entregue nesta terça foi realizada por uma equipe coordenada pelo psiquiatra forense Hewdy Lobo Ribeiro.

O processo contra Adélio está suspenso até que sua condição mental seja atestada. Caso isso se confirme, o réu será considerado inimputável pela Lei de Execução Penal. Assim, ele poderia ser encaminhado a um manicômio judicial, ficando submetido à avaliação médica para dar prosseguimento ou não ao sistema prisional.

Caso

Durante a corrida presidencial, o então candidato Jair Bolsonaro, hoje presidente da República, foi vítima de ataque à faca no último 6 de setembro, em Juiz de Fora, Minas Gerais. Autor do crime, Adélio Bispo foi preso em flagrante, confessando a autoria do crime por razões políticas e ordem divina. Ele alega ter agido sozinho, mas acusação acredita que o agressor atuou a mando de outrem.

A Polícia Federal (PF), por sua vez, já concluiu investigação que confirma autoria solitária de Adélio, o qual teria “comportamento obsessivo” e que a premeditação do ataque ficou evidenciada.

O Povo