PUBLICIDADE
Notícias

'Quando acabar, vou dar satisfações', diz Bebianno

21:02 | 16/02/2019
O ministro da Secretaria-Geral, Gustavo Bebianno, disse neste sábado, 16, que "quando acabar" sua participação no governo, "se sentir vontade", vai "dar satisfações". A frase foi dita em resposta ao ser questionado sobre seu desafeto, o vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ), filho do presidente Jair Bolsonaro. O ministro, que deve ser demitido na segunda-feira, 18,, passou o sábado num hotel de Brasília. Ele não foi recebido pelo presidente, mas conversou com o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, incumbido de arrumar uma saída honrosa. Em entrevista à imprensa, destacou o "carinho" que sente pelo presidente e disse ainda acreditar no governo.
O ministro soube de parte das informações sobre sua demissão pela imprensa, na noite de sexta-feira, o que o deixou chateado. Na madrugada de sábado, publicou nas redes sociais um texto sobre lealdade e amizade. A jornalistas, afirmou que compartilhou porque "teve vontade" e que foi algo "conceitual".
Também na fala à imprensa questionou o tratamento "diferenciado" em relação ao ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio. No início do mês, Álvaro Antônio também foi alvo de suspeitas sobre o uso de candidaturas laranjas em Minas Gerais em 2018. Na época, o ministro do Turismo era presidente do Diretório Estadual. Ele foi mantido no cargo.
"Minha consciência está tranquila. Trata-se de bom senso, trata-se da lei, trata-se do estatuto do partido. Tanto é assim que, no caso do Marcelo Álvaro Antônio, por que eu não sou culpado, então?", questionou, pois, segundo ele, os dois casos são semelhantes e só em um o culpam. Álvaro Antônio era presidente do PSL em Minas, no ano passado. No caso de Pernambuco, o presidente do diretório era o hoje deputado Luciano Bivar.
Em seguida, questionado por que estaria recebendo um tratamento diferente do ministro do Turismo, que permaneceu no cargo, Bebianno disse que não sabe. "Não sou eu que dispenso o tratamento, eu estou recebendo o tratamento com perplexidade. Quem dispensa o tratamento é que tem que explicar os seus motivos."
Para ele, não há razão para ligá-lo ao caso de Pernambuco. "Não tem nada a ver comigo, isso é a lei, o estatuto do partido, é o bom senso. Como alguém na nacional pode controlar o que acontece no Acre, em Rondônia?" Bebianno disse que não fez "nada de errado" e está com a consciência "absolutamente tranquila e limpa".

Agência Estado

TAGS