PUBLICIDADE
Política
presidente eleito

PSL lança campanha nas redes sociais: "#QuemMandouMatarBolsonaro"

20:25 | 05/12/2018
(Foto: Reprodução/Twitter)
 
O Partido Social Liberal (PSL) lançou nessa terça-feira, 4, a hastag "#QuemMandouMatarBolsonaro". Pelo Twitter da conta da sigla, acompanhado da foto, o partido diz que o presidente eleito segue recebendo ameaças de morte "e nós ainda aguardamos resposta".
 
No último dia 28 de novembro,  o filho de Bolsonaro, Carlos Bolsonaro (PSL), se manifestou, também pelo Twitter, a respeito da segurança do pai. “A morte de Jair Bolsonaro não interessa somente aos inimigos declarados, mas também aos que estão muito perto. Principalmente após de sua posse!”, escreveu.
 
Disse ainda que é fácil mapear pessoa transparente e voluntariosa. "Pensem e entendam o enredo diário".
 
 
Além do filho, a segurança de Bolsonaro também foi alvo de preocupação do general da reserva do Exército, Augusto Heleno, ainda na campanha. Conforme o militar, o então candidato não foi aos debates por ameaça de outro atentado terrorista.
 
O atual ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Sérgio Etchegoyen, disse que Bolsonaro recebeu novas ameaças de atentado. "Até há 15 dias" novas ameaças foram feitas ao presidente eleito", afirmou, dizendo que continuam. Assim, recomendou cuidado, sobretudo no dia da posse, 1º de janeiro.  
 
Adélio Bispo 
  
Na última segunda-feira, 3, conforme noticiado por O Globo, o autor da facada em Bolsonaro, Adélio Bispo, passou por exame psiquiátrico com dois profissionais da área. O procedimento foi realizado no presídio federal de Campo Grande, em que Bispo está preso.
 
Ainda conforme a publicação carioca, o condutor do caso na 3ª Vara da Justiça Federal Juiz de Fora, juiz Bruno Savino, determinou 10 dias para a conclusão do laudo psiquiátrico. A defesa do agressor acredita que, se o exame identificar alguma deficiência de perceber o que é certo e errado, a pena poderá ser reduzida.
  
 
Redação O POVO Online