Mudanças na aposentadoria são aprovadas pela Assembleia LegislativaNotícias de Política 

PUBLICIDADE
Notícias


Mudanças na aposentadoria são aprovadas pela Assembleia Legislativa

Os deputados aprovaram três mensagens que regulamentam mudanças aprovadas em 2013. Textos aprovados com placar de 30 a 3 preveem a criação de duas fundações para gerir a aposentadoria

13:18 | 08/11/2018
NULL
NULL
Atualizada às 13h30min
[FOTO1] 
Mudanças na aposentadoria dos servidores públicos estaduais do Ceará aprovadas em 2013 entrarão em vigor agora. A Assembleia Legislativa aprovou, na tarde desta quinta-feira, 8, três mensagens que regulamentam as alterações e criam duas fundações para gerir a aposentadoria dos servidores do Estado. Em 2013, foi estabelecido que o direito à aposentadoria do funcionalismo público estadual estaria sujeito a um teto de até R$ 5.531,31. A mudança não foi aplicada na época, ganhando os servidores públicos até agora aposentadoria equivalente ao recebido como salário. Com a aprovação com placar de 29 a 3, o teto começa a valer para os trabalhadores que ingressarem no serviço público de agora em diante. Também é criado fundo público de Previdência complementar.

[SAIBAMAIS]Três mensagens relacionadas ao tema (números 8237, 8238 e 8239) estabelecem, respectivamente, a regulamentação dos mecanismos da previdência complementar dos servidores públicos civis e militares estaduais por meio do teto estabelecido; a criação da Fundação de Previdência Social do Ceará (Cearaprev), que atuará na gestão da aposentadoria até o teto; e a criação da Fundação de Previdência Complementar do Ceará (CE-Prevcom), que cuidará do fundo complementar para os que ganhariam, equivalentemente, mais que o teto. 
 
Os votos contrários foram dos deputados Capitão Wagner (Pros), Fernanda Pessoa (PSDB) e Renato Roseno (Psol). “Não é possível haver segurança depositando esperanças e capitais nessa previdência complementar”, argumentou Roseno, falando que a aprovação dos textos seria injusta para os servidores que precisariam da aposentadoria de agora em diante. De opinião divergente, o deputado Carlos Matos (PSDB) disse que a Reforma da Previdência é a “questão mais importante fiscal que tem para ser tratada”. “Era possível nós não fazermos a reforma, mas não é sensato. O déficit vem evoluindo”, completou.

Redação O POVO Online
TAGS