PUBLICIDADE
Política
Eleições 2018

Debate eleitoral tem apoio tecnológico em tempo real

02:50 | 10/08/2018
Imagem de ângulo superior do cenário onde estão apresentador e candidatos a presidente
(Foto: reprodução/Youtube)
No primeiro debate entre candidatos à Presidência da República nesta eleição, oito postulantes discutiram sobre projetos e planos de governo para o Brasil, na noite desta quinta-feira, 9. Realizado pela Tv Bandeirantes sob o comando do jornalista Ricardo Boechat, o momento teve como novidade o uso da tecnologia para acompanhar em tempo real o nível de interesse pela internet.
 
Ao todo, 13 nomes foram indicados em convenções partidárias para a corrida ao Palácio do Planalto. A emissora lançou convites a oito: Álvaro Dias (PODE), Cabo Daciolo (Patriotas), Ciro Gomes (PDT), Jair Bolsonaro (PSL), Geraldo Alckmin (PSDB), Guilherme Boulos (Psol), Henrique Meirelles (MDB), Marina Silva (Rede) e Lula (PT). O ex-presidente, no entanto, não participou do debate por estar preso, em Curitiba (PR).
 
Os candidatos mais comentados alternavam-se conforme cada apresentação. De todo modo, a hashtag #DebateBand foi a que concentrou a maior audiência no Twitter, seguido pelos nomes dos presidenciáveis em momentos distintos.
 
 
O ex-governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB) foi um dos principais candidatos lembrados por seus adversários, por ter a maior e mais controversa aliança partidária. O tucano, que tem acordo com partidos do Centrão, não foi poupado.
 
A primeira a questioná-lo sobre sua aliança foi Marina Silva (Rede), seguida em outros momentos por Cabo Daciolo, Guilherme Boulos e Jair Bolsonaro. Alckmin se defendeu dizendo que precisa de "maioria para aprovar reformas como a tributária, da previdência social e política".
 
Líder das pesquisas eleitorais em cenário sem Lula (PT), Jair Bolsonaro voltou a defender castração química para estupradores, além da liberação do porte de arma de fogo "para os cidadãos de bem", quando questionado quanto assuntos de segurança pública.
 
O candidato do PSL foi perguntado por Ciro Gomes (PDT) sobre como retiraria os brasileiros do endividamento. Bolsonaro respondeu que muita gente está endividado, mas "muitos dos negativados são bandidos". Após réplica de Ciro, que prometeu zerar os nomes do SPC, o candidato ironizou que o ex-governador do Ceará seria "um santo", caso conseguisse.

WANDERSON TRINDADE