PUBLICIDADE
Política
Eleições 2018

Cinco motivos que podem levar Marina Silva à Presidência do Brasil

O POVO Online lista o que pode render votos à pré-candidata

14:22 | 15/06/2018
(Foto: Wilson Dias/Agência Brasil)
 
Disputando a terceira eleição para presidente da República, Marina Silva (Rede) começa entre os mais cotados para chegar ao Palácio do Planalto pelos eleitores. Conforme pesquisa do Datafolha, ela está em segundo lugar, com 15% da preferência dos 2.824 entrevistados, de 174 municípios onde o questionário foi aplicado, entre 6 e 7 de junho. Os dados foram divulgados no jornal Folha de S. Paulo.
 
A porcentagem mais alta que a política atinge é em conjuntura na qual Lula (PT) não está na disputa. Se a falta de estrutura partidária, as poucas alianças e os posicionamentos políticos podem dificultar o caminho dela à Presidência, O POVO Online listou o que pode ajudá-la a sair vencedora nas eleições deste ano.
Histórico nas urnas
Dentre os pré-candidatos com parcela significativa das intenções de voto, Marina é a única que também esteve nas últimas eleições. Em 2010, surpreendeu eleitores e institutos de pesquisa ao alavancar o número de eleitores ao longo da campanha. Nas urnas, reuniu 19,3% dos votos. Em 2014, começou como vice na chapa liderada pelo pernambucano Eduardo Campos (PSB). Com a morte do político em acidente aéreo, ela assumiu a disputa, chegando a empatar em porcentagem de intenções de votos com Dilma Rousseff (PT) na liderança. No fim do primeiro turno, Marina terminou em terceiro lugar, com 21% dos votos válidos, e dois milhões de eleitores a mais, se comparado a 2010.
 
Sem envolvimento com a Lava Jato
Com as investigações da Lava Jato atingindo quase todos os partidos políticos brasileiros, nem Marina nem a Rede são investigadas ou denunciadas por envolvimento no esquema de corrupção. Apesar de ter recebido doações para a campanha de empresas com executivos condenados por participação das negociatas, os próprios empresários descartaram a participação dela em qualquer conchavo.
 
Trânsito entre a esquerda e a direita
Marina começou a carreira política no PT, legenda onde permaneceu por mais de duas décadas. Ela chegou a ser nomeada ministra do Meio Ambiente durante o governo Lula.  A política ainda integrou o quadro do Partido Verde (PV), passou pelo Partido Socialista Brasileiro (PSB) e fundou a Rede Sustentabilidade. Ao longo da trajetória pública, ela transitou por partidos de esquerda, contudo, principalmente quando disputou as eleições em 2014, se aproximou de empresários e industriais, ao passo em que manteve a defesa de causas ambientais, angariando votos de eleitores em busca de alternativa em ambos os espectros políticos. O perfil pode ajudar a unir o País, que vive em constante tensão após o impeachment de Dilma Rousseff (PT). 
 
Discurso de nova política
Desde a primeira tentativa de chegar ao Palácio do Planalto, Marina sempre se declarou como alternativa à “velha política”. O discurso fluido entre esquerda e direita reforçou a ideia de alguém que, chegando à Presidência, quer fortalecer políticas sociais e atender demandas de empresários. 
 
História de vida
Marina traz assuntos efervescentes no País, além da história de superação que pode despertar em alguns eleitores o sentimento de identificação ou admiração e fazer diferença nas urnas. Ela nasceu em Rio Branco, no Acre. É filha de seringueiro e dona de casa. Trabalhou também na extração de borracha para ajudar a família a liquidar dívidas. Morou em palafitas e contraiu doenças graves quando criança: hepatite, leishmaniose e malária. Perdeu a mãe e três irmãs ainda jovens por contaminação dessas doenças. A política foi analfabeta até os 16 anos, quando concluiu a alfabetização. Em seguida, se formou em história, especializando-se em teoria psicanalítica e psicopedagogia. 
 
Leia também
 
 
 

IGOR CAVALCANTE