PUBLICIDADE
Notícias

Em site de apostas internacionais, Marina Silva lidera intenções de voto

Os nomes do ex-presidente do Supremo Tribunal Federal Joaquim Barbosa e até o da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) também aparecem na votação

13:37 | 05/03/2018
NULL
NULL
De acordo com um dos sites mais importantes do mercado preditivo internacional, o Predct It, a pré-candidata à Presidência da República Marina Silva (Rede) é a favorita para vencer as eleições presidenciais. Na última sexta-feira, 2, a página apontava Marina como sendo a aposta mais certeira, na frente do deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ), do governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB) e do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). As informações são do Estadão. 
 
O mercado preditivo é composto por sites onde é possível fazer apostas sobre o resultado de eventos, como eleições, votações específicas e até resultados esportivos. Nos Estados Unidos, onde é bastante conhecido, suas projeções são tratadas quase com a mesma importância de uma pesquisa de intenção de votos. 
 
[FOTO1]
 
De acordo com o pesquisador Ivan Roberto Ferraz, que desenvolveu um trabalho sobre o tema na Faculdade de Economia e Administração da USP (FEA), em teoria, o resultado do mercado preditivo seria mais confiável do que as pesquisas tradicionais pois envolve investimento financeiro.  
 
[SAIBAMAIS]O site funciona como uma bolsa de valores, com compra e venda de ações. Como ocorre em bolsas de apostas, resultados considerados mais previsíveis pagam menos do que as chamadas “zebras”. Segundo o Predict It, o lucro de apostar em uma vitória da Marina é menor do que o de quem aposta na vitória de Alckmin. A compra e venda de ações são realizadas de verdade. Ou seja, existe débito em cartão para as transações efetuadas.
 
No Brasil, o mercado preditivo de apostas é proibido. Aliás, a legislação norte-americana também é bastante restritiva em relação ao funcionamento deles. Por isso, a maioria dos sites que operam nesse mercado estão instalados em locais como Nova Zelândia e Gibraltar.
 
Redação O POVO Online 
TAGS