PUBLICIDADE
Notícias

Alckmin afirma que o atual PT é um "desastre completo"

Sobre sua derrota, Alckmin lembrou que em 2006, no primeiro turno, não teve uma diferença percentual grande em relação a Lula

17:10 | 20/11/2017
NULL
NULL

[FOTO1]

Principal nome do PSDB para a disputa presidencial do próximo ano, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, afirmou nesta segunda-feira, 20, que "cada eleição é uma eleição", fazendo referência a sua derrota há 12 anos, quando Lula (PT) conquistou seu primeiro mandato. Em entrevista à Rádio Jornal, o tucano disse que "o PT, naquela época - 2006 - estava com tudo, hoje é um desastre completo". A informação é do Uol.

Alckmin ressaltou ainda os 13 milhões de desempregados que, na sua perspectiva, são decorrentes dos governos do Partido dos Trabalhadores.

Ainda sobre sua derrota, Alckmin lembrou que em 2006, no primeiro turno, não teve uma diferença percentual grande em relação a Lula. O petista contabilizou 48,61% dos votos válidos, o equivalente a 46,66 milhões de votos. O governador teve 41,64% dos votos, número equivalente a 39,97 milhões de votos. No segundo turno, no entanto, Lula disparou, conseguindo passar dos 60% ou 58 milhões de votos.

A maior vitória do ex-presidente em 2006 foi no Nordeste, onde conseguiu 77,14% contra 22,86% de Alckmin. Para 2018, o tucano acredita em um resultado melhor na região, dizendo que vai percorrer o lugar.

Quando perguntado sobre as possibilidades de Lula não disputar devido aos processos que enfrenta na Operação Lava Jato, acumulando uma condenação e seis denúncias, ele afirmou que não tem motivos para querer que ele não dispute as eleições.

O tucano, que está atrás de Lula, do deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) e Marina Silva (Rede) nas pesquisas, diz que não leva em consideração os primeiros levantamentos. Ele lembra do correligionário Doria, que iniciou sua campanha com 5% das intenções e terminou vencendo as eleições no primeiro turno.

Entre Lula, à esquerda, e Bolsonaro, à direita, Alckmin se coloca no centro. Para o governador de São Paulo, não são tempos para radicalismos. "Precisamos de contrutores, chega de gladiadores", afirmou.

Agenda

Em Pernambuco desde o último domingo, 19, Alckmin tem tentado colocar seu nome nos créditos da Transposição do Rio São Francisco, defendendo também a sua revitalização. O tucano destacou que cedeu bombas da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) para que o eixo leste da obra fosse concretizado.

 

Redação O POVO Online

TAGS