PUBLICIDADE
Notícias

Kassab sinaliza que quer mais espaço no governo Dilma

18:50 | 05/11/2014
Mesmo sem falar especificamente que pasta pretende ocupar no segundo mandato da presidente Dilma Rousseff, o presidente do PSD, Gilberto Kassab, sinalizou que o partido quer ter participação direta no governo, ampliando seu espaço. "Encerrado esse seu primeiro governo, participamos da sua campanha de reeleição e daí vamos governar juntos, sob o comando da presidente Dilma, portanto, vamos aguardar que ela defina a composição do seu governo", declarou Kassab, em entrevista nesta quarta-feira após declarar apoio e solidariedade ao governo.

Questionado se Henrique Meirelles, que é filiado ao PSD, poderia ser indicado pelo partido para o Ministério da Fazenda, Kassab desconversou: "a composição do governo não terá indicação partidária. Caberá à presidente Dilma Rousseff compor o governo da melhor maneira possível e segundo a sua visão".

Kassab não fala explicitamente, mas já teria manifestado a interlocutores que gostaria de ser indicado para o polpudo Ministério das Cidades. O secretário das Micro e Pequenas Empresas. Guilherme Afif Domingos, que também é do PSD e ocupa uma vaga de ministro, é considerado cota da presidente e não do partido.

A expressão "vamos governar juntos" foi repetida várias vezes por Kassab. Ele fez questão de mostrar a diferença de participação do PSD no primeiro para o segundo mandato, sugerindo que tem direito mesmo a mais espaço agora. "O PSD, desde o primeiro momento, deixou claro que não iria participar de seu primeiro mandato, até porque não participamos da sua eleição. Cumprimos o nosso compromisso com a nação brasileira, para mostrar que era um partido que nascia não para ser governo, mas para ser partido", comentou. E emendou: "quem comanda o governo é a presidente. Portanto, cabe a ela definir quem será sua equipe e de quais partidos".

Segundo Kassab, a bancada do PSD "fará parte da base de apoio do governo e, portanto, estará junto com o governo participando da discussão dos projetos e do seu encaminhamento, sabendo convergir, sabendo divergir, mas sabendo antes de mais nada estar ao lado do governo da presidente Dilma". Kassab admitiu ainda que o PL "poderá sim constituir um bloco conosco". Mas ressalvou que, "no momento, o PSD está aqui dando o seu apoio renovado a presidente".

TAGS