PUBLICIDADE
Notícias

Em SP, Aécio critica adiamento do balanço da Petrobras

13:30 | 14/11/2014
Em encontro realizado nesta sexta-feira, 14, em São Paulo, com correligionários, para agradecer a histórica votação que teve no Estado nas eleições presidenciais, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) falou dos desdobramentos das investigações na Petrobras.

Segundo ele, a estatal incorpora no governo petista a marca perversa da corrupção. "O adiamento da divulgação do balanço da Petrobras traz a marca perversa das ações deste governo", afirmou.

No discurso que fez para um auditório lotado, na capital, Aécio disse que enquanto eles celebram hoje a caminhada honrosa nessas eleições, estava sendo preso o mais importante diretor da Petrobras indicado pelo PT. "A Petrobras está maculada pela irresponsabilidade de alguns de seus diretores", disse. Para o senador, a prisão deste diretor vai deixar muita gente sem dormir em Brasília porque ele representa o elo mais forte com o partido.

Aécio disse que saiu das eleições revigorado e com ainda mais ânimo e energia para exercer o papel de oposição. "Vamos impedir que o PT destrua a obra macroeconômica realizada na gestão de Fernando Henrique Cardoso. O PT verá uma oposição vigorosa, corajosa, porém patriótica, para apontar os caminhos que o Brasil precisa trilhar."

Em rápida entrevista coletiva concedida antes do evento, que reuniu no mesmo palco Aécio, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, o senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP) e o governador reeleito de São Paulo, Geraldo Alckmin, o senador mineiro disse que a oposição fará tudo que estiver ao seu alcance para impedir que o governo altere a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) e a meta fiscal.

"Vamos até as últimas consequências para evitar alteração na LDO e vamos impedir qualquer manobra no Congresso. A oposição vai reagir porque o Brasil não pode virar a casa da mãe Joana, onde cada um faz o que quer", disse. Segundo Aécio, a oposição poderá, inclusive, impetrar uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin) no Supremo Tribunal Federal para impedir que o governo altere a LDO.

O tucano criticou também o fato de o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, ter aberto investigação contra delegados da Polícia Federal, em razão de eles terem manifestado nas redes sociais simpatia pela candidatura do PSDB neste pleito. Para Aécio, a ação é inadmissível e Cardozo deveria estar atento ao que acontece na Petrobras. Ao falar sobre o escândalo na estatal, o senador Aloysio Nunes ironizou: "A casa caiu."

TAGS