PUBLICIDADE
Notícias

Marina critica Dilma por ter dito que erro foi 'banal'

13:00 | 22/09/2014
A candidata do PSB à Presidência da República, Marina Silva, lamentou na manhã desta segunda-feira que a má gestão esteja prejudicando instituições como o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a Petrobras e as agências reguladoras. Para Marina, o erro na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) prejudica a credibilidade "de uma instituição tão importante para o planejamento das políticas públicas". "Lamento que indicações políticas que muitas vezes não obedecem a critérios técnicos dentro das agências, da Petrobras e do IBGE possam causar prejuízos", criticou a candidata após participar de um evento na Associação Nacional de Educação Católica no Brasil, em Brasília.

Ontem, a presidente Dilma Rousseff (PT) classificou os erros na Pnad como "banais", o que foi rebatido hoje por Marina. "Não acho que se deva atribuir esses problemas todos como se fossem banais. Eles devem ser tratados com o nível de preocupação que o problema requer", afirmou a candidata, enfatizando que, em um eventual governo do PSB, os cargos são preenchidos com base em critérios "técnicos e éticos", com auxílio de um comitê de busca.

Questionada sobre o uso do Palácio do Alvorada pela adversária do PT para conceder coletivas de campanha, Marina culpou o sistema de reeleição por causar, em sua visão, uma "confusão" sobre o uso institucional de prédios públicos no exercício da campanha. "Essa é uma ambiguidade que será resolvida com o fim da reeleição", defendeu. Marina aproveitou para ressaltar que cumprirá um só mandato de quatro anos, se eleita, e enviará uma proposta de reforma política ao Congresso para que os cargos do Executivo sejam restritos a um mandato de cinco anos.

Sobre a possibilidade de seus adversários manterem a estratégia de ataques ao seu programa de governo, Marina afirmou que vai continuar debatendo suas propostas e promovendo o debate. Durante o evento, a candidata do PSB voltou a repetir que não acabará com programas como o Bolsa Família e que pretende aprofundar projetos como ProUni, Fies e Pronatec. "Estão dizendo por aí que eu vou acabar com tudo e com o resto", brincou a candidata. De acordo com Marina, as insinuações de seus adversários ferem "o bom senso e a inteligência dos brasileiros."

Marina também criticou a política "perversa de juros altos" e foi questionada sobre a governabilidade em um eventual. Ela insistiu na necessidade de criação de um sistema em que a governabilidade é programática e não "em função da troca de pedaços do Estado". "A própria presidente Dilma, que tem 400 parlamentares na sua base, não consegue aprovar as coisas importantes", lembrou.

TAGS