Logo O POVO+

Jornalismo, cultura e histórias em um só multistreaming.

Participamos do

Rússia está disposta a afrouxar bloqueio de portos em troca do fim de sanções

A Rússia está aberta a afrouxar o bloqueio aos portos ucranianos ao longo do Mar Negro se as sanções a Moscou forem suspensas, disse uma autoridade do país nesta quarta-feira, 25, uma medida que, se for adiante, poderia aumentar as exportações de grãos e ajudar a aliviar a crescente inflação e a escassez de alimentos.

Andrey Rudenko, vice-ministro das Relações Exteriores da Rússia, disse que Moscou está disposta a estabelecer um corredor humanitário que proporcionaria passagem segura para navios que transportam alimentos dos portos. Em troca, os países teriam que suspender as sanções à Rússia.

"Resolver o problema alimentar requer uma abordagem abrangente, incluindo a suspensão das sanções impostas às exportações e transações financeiras russas", disse Rudenko em comentários divulgados pela mídia estatal russa.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

Ele não detalhou como funcionaria um corredor humanitário. Mas uma autoridade ucraniana questionou nesta quarta-feira se Moscou pode ser confiável e pediu aos líderes mundiais que se concentrem no fim da guerra e no fortalecimento das sanções. Um alto funcionário do Reino Unido também rejeitou a ideia de suspender as sanções, uma possível indicação inicial de onde outros governos ocidentais podem cair.

O porta-voz do Departamento de Estado, Ned Price, disse: "Certamente não suspenderemos nossas sanções em resposta a promessas vazias, e já ouvimos promessas vazias da Federação Russa. Nossas sanções não alimentares permanecerão em vigor até que Putin pare sua guerra brutal".

Cerca de 98% dos grãos ucranianos costumavam passar pelos portos ucranianos do Mar Negro, e o país agora está se esforçando para exportar através das fronteiras vizinhas e do Danúbio. Essas novas rotas têm muito menos capacidade para lidar com os milhões de toneladas de trigo, milho e óleo de girassol que irão para elas quando a colheita começar para valer em junho.

O aumento dos preços ajudou a alimentar a agitação violenta que levou à renúncia do primeiro-ministro do Sri Lanka no início deste mês e provocou protestos no Oriente Médio. Em partes da África, os moleiros ficaram sem trigo. Os consumidores estão economizando em alimentos antes considerados básicos do dia a dia e substituindo por produtos menos caros. Fonte:

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Os cookies nos ajudam a administrar este site. Ao usar nosso site, você concorda com nosso uso de cookies. Política de privacidade

Aceitar