Participamos do

Tiro fatal no set de 'Rust': xerife diz que investigação está quase completa

00:03 | Abr. 27, 2022
Autor AFP
Tipo Notícia

A investigação criminal sobre o incidente que tirou uma vida durante as gravações de um filme do ator e produtor Alec Baldwin está "perto de terminar", afirmou o oficial responsável nesta terça-feira (26).

"Estimamos que seja uma questão de semanas e não meses", disse Adan Mendoza, xerife do condado de Santa Fé, jurisdição onde ocorreu a tragédia.

Seu gabinete também divulgou alguns materiais sobre o tiro que matou a diretora de fotografia Halyna Hutchins durante a produção do faroeste "Rust", que estava sendo filmado em um set conhecido como Rancho Bonanza, no estado do Novo México, sudoeste dos Estados Unidos.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

Imagens de Alec Baldwin aparentemente praticando no set o uso da arma que viria a matar Hutchins e vários de seus encontros com policiais fazem parte do conteúdo divulgado.

"Estamos aguardando algumas coisas para o relatório final, como a análise do revólver, das balas, das impressões digitais e do DNA", explicou Mendoza. "Também estamos esperando que o médico legista termine seu laudo e uma análise mais aprofundada das informações contidas nos telefones celulares", acrescentou.

Sob as instruções da diretora de fotografia, Baldwin, protagonista e produtor de "Rust", manipulava uma arma durante o ensaio de uma cena quando uma bala real atingiu o abdômen de Hutchins, de 42 anos. Ela foi levada de helicóptero a um hospital, mas não resistiu aos ferimentos.

Baldwin conta que quando um assistente de direção lhe entregou a arma, disse a ele que a mesma estava descarregada. O ator também afirma que não puxou o gatilho.

Nas imagens divulgadas, é possível ver Baldwin vestido de caubói em um banco de igreja no set de filmagem, sacando e apontando uma arma para a câmera. Mas o disparo, que também feriu o diretor do filme, Joel Souza, não é visto.

As produções de cinema e televisão exigem protocolos de segurança rígidos para a utilização de armas de fogo, incluindo a explícita proibição do uso de munições reais.

Uma investigação paralela do Departamento de Saúde e Segurança do Trabalho do Estado do Novo México concluiu que os produtores do longa mostraram "indiferença" diante das evidentes falhas de segurança que colocavam seus trabalhadores em risco.

O xerife Mendoza disse nesta terça-feira que uma das "questões-chave" da investigação é determinar de onde vieram as balas verdadeiras. "Ninguém admitiu ter levado munição para o set", acrescentou.

O material divulgado inclui mensagens da profissional responsável pelas armas do filme, Hannah Gutierrez-Reed, referindo-se ao uso de balas reais em outra produção. "Isso é preocupante, porque foi apenas alguns meses antes do início das filmagens de 'Rust'", apontou Mendoza.

Ele lembrou que foi Baldwin quem manuseou a arma, mas esclareceu que ainda não havia uma decisão sobre se seriam feitas acusações criminais contra ele: "Vamos trabalhar junto com o gabinete (do procurador distrital) para determinar se houve negligência criminal ou acusações penais."

Enquanto isso, várias ações civis estão se acumulando. A família de Hutchins, que deixou marido e filho, processou Baldwin e os demais produtores por danos "substanciais".

Funcionários do set também entraram na Justiça contra os produtores pelo impacto emocional da tragédia. E Gutierrez-Reed processou o fornecedor das munições, acusando-o de deixar balas verdadeiras em cartuchos cenográficos.

Em uma entrevista em dezembro, Baldwin disse que Hutchins o instruiu a mirar em sua direção durante o ensaio, mas que ele não puxou o gatilho. "Sinto que alguém é responsável pelo que aconteceu e não posso dizer quem é. Mas sei que não sou eu", declarou ele.

hg/bgs/pr/yow/ic/mvv

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Os cookies nos ajudam a administrar este site. Ao usar nosso site, você concorda com nosso uso de cookies. Política de privacidade

Aceitar