Participamos do

Espanhol é condenado à prisão por ameaçar matar Pedro Sánchez

08:02 | Abr. 12, 2022
Autor AFP
Tipo Notícia

Um tribunal espanhol informou, nesta terça-feira (12), que condenou um homem a 7,5 anos de prisão por ameaçar assassinar o presidente do governo espanhol, Pedro Sánchez, e que, quando foi detido em 2018, tinha um arsenal em casa.

A Audiência Nacional condenou "a 7 anos e 6 meses de prisão o segurança que manifestou nas redes sociais, em 2018, sua intenção de assassinar" Pedro Sánchez, pelos crimes de homicídio em grau de proposição e depósito de armas de guerra, disse o tribunal em um comunicado.

Manuel Murillo Sánchez, de 65 anos, fazia parte de um grupo de WhatsApp, no qual expressou, em diferentes ocasiões, "sua intenção de acabar com o presidente do governo" como uma maneira de "produzir uma mudança na situação política espanhola", relatou o tribunal.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

Por esse motivo, acrescentou a Justiça, "empenhou-se em pedir ajuda" neste grupo "para realizar o ato".

Em suas mensagens, manifestava sua indignação com a decisão do governo de esquerda do socialista Pedro Sánchez de exumar os restos mortais do ditador Francisco Franco (1939-1975) de um mausoléu perto de Madri para enterrá-los em um discreto cemitério. A operação foi realizada em outubro de 2019.

A Audiência Nacional admitiu que o réu não tinha "um plano definitivamente arquitetado, tramado e, menos ainda, concluído" para cometer o assassinato. Para condená-lo, o tribunal levou em consideração "a alta periculosidade" de sua "determinação", o arsenal encontrado em sua casa e o fato de praticar tiro há anos.

No momento de sua prisão em setembro de 2018, o homem tinha armazenado em sua residência, em Terrassa (Catalunha), "várias armas, munições e outros utensílios", conforme a decisão judicial datada de 11 de abril.

Em sua sentença, que também proíbe Murillo Sánchez de portar armas por oito anos, o tribunal descartou que o homem tenha agido sob "perturbação psicológica", ou, como alegou sua defesa, sob efeito do consumo de álcool e de analgésicos.

du/CHZ/zm/tt

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Os cookies nos ajudam a administrar este site. Ao usar nosso site, você concorda com nosso uso de cookies. Política de privacidade

Aceitar