Participamos do

Palestino morre em operação do exército israelense em campo de refugiados de Jenin

10:06 | Abr. 09, 2022
Autor AFP
Tipo Notícia

Um palestino morreu e vários ficaram feridos, neste sábado (9), em tiroteios registrados durante uma operação do exército israelense no campo de refugiados de Jenin, no norte da Cisjordânia, de onde era procedente o autor do ataque de quinta-feira em Tel Aviv, informaram fontes militares e palestinas.

"Um jovem foi morto a tiros em Jenin", disse o ministério palestino da Saúde. O exército israelense confirmou à AFP que está realizando uma operação nesse campo, considerado um dos bastiões dos movimentos armados palestinos na Cisjordânia, território ocupado por Israel desde 1967.

O exército indicou que "atiradores dispararam contra as forças armadas e contra a polícia de fronteira que faziam uma operação no campo de refugiados de Jenin".

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

"Em resposta, as tropas dispararam contra os atiradores", indicaram as forças de Israel, que não reportaram nenhum ferido entre os seus soldados.

O primeiro-ministro israelense, Naftali Bennet, deu carta branca, na sexta-feira (8), às forças de segurança para "derrotar" a nova onda de "terror" no país, após o ataque de quinta-feira (7) em Tel Aviv, que deixou três israelenses mortos e dez feridos.

Depois de uma perseguição que durou a noite inteira, as forças israelenses mataram o agressor em um tiroteio. Trata-se de Raed Hazem, de 28 anos, um palestino sem militância conhecida, segundo a inteligência israelense, e que era natural de Jenin.

"Quem tenha ajudado (o atirador), direta ou indiretamente, vai pagar o preço", advertiu Bennet, ordenando o fechamento do ponto de controle de Jalamah, que une a região de Jenin a Israel para "reduzir os movimentos" no local.

O ataque em Tel Aviv foi celebrado pelos grupos palestinos Jihad Islâmico e Hamas, dois dos principais movimentos islamitas armados, mas foi condenado pelo presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas e pelo chefe do partido laico Fatah.

Fontes palestinas confirmaram que o pai do atirador é um oficial aposentado das forças de segurança palestinas.

A imprensa israelense informou que Israel pediu aos Estados Unidos que pressionem a Autoridade Palestina para que suspenda o pagamento de sua aposentadoria.

Essa operação em Jenin é a segunda do exército em uma semana neste acampamento.

Na semana passada, após outro sangrento ataque em uma cidade ultraortodoxa judaica ao redor de Tel Aviv, em que faleceram cinco pessoas, o exército israelense realizou uma operação semelhante em Jenin, de onde também era oriundo o agressor.

Ao menos três combatentes do movimento armado palestino Jihad Islâmica morreram nos tiroteios com o exército de Israel no campo de refugiados dessa localidade palestina.

Há 20 anos, Jenin foi cenário de uma grande ofensiva israelense, em plena segunda intifada palestina e após sangrentos atentados contra Israel. Ao menos 53 palestinos, a maioria deles civis, e 23 soldados israelenses morreram após 10 dias de combate.

gl/bfi/bl-an/es/dd/mvv

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Os cookies nos ajudam a administrar este site. Ao usar nosso site, você concorda com nosso uso de cookies. Política de privacidade

Aceitar