Participamos do

Presidente eleito sul-coreano recua e desiste de acabar com ministério da Igualdade de Gênero

06:13 | Abr. 07, 2022
Autor AFP
Tipo Notícia

A equipe do presidente eleito da Coreia do Sul, Yoon Suk-yeol, desistiu da promessa de campanha de acabar com o ministério da Igualdade de Gênero, uma iniciativa muito criticada por grupos feministas.

Durante a campanha para a eleição de 9 de março, Yoon defendeu o fim do ministério e afirmou que as mulheres sul-coreanas "não sofrem uma discriminação sistemática de gênero", apesar das evidências da desigualdade em termos de salários, participação no mercado de trabalho ou representação na elite empresarial e política do país.

Nesta quinta-feira, no entanto, a equipe de transição de governo anunciou que vai manter a pasta no momento.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

"Decidimos que a composição do gabinete será baseada no atual sistema de governo", declarou à imprensa Ahn Cheol-soo, que coordena a equipe.

A equipe de transição anunciará o titular da pasta da Igualdade de Gênero, assim como os demais membros do governo, explicou Ahn.

Outro funcionário da equipe de transição, Choo Kyung-ho, afirmou que a promessa "ainda é válida", mas que foi adiada por "divergências de opiniões" sobre como reorganizar o governo.

Analistas advertiram que acabar com o ministério seria difícil porque exige a revisão da legislação no Parlamento, atualmente controlado pelos liberais.

Após a eleição, vencida por uma pequena margem, Yoon prometeu que cumpriria sua promessa e que, se isto não acontecesse, teria "mentido" a seus seguidores.

A opinião de Yoon mobilizou o eleitorado feminino contra o presidente eleito. Mais de 10.000 jovens sul-coreanas entraram para o esquerdista Partido Democrático, que deixará o poder em maio.

Linda Hasunuma, cientista política Universidade Temple, afirmou à AFP que o presidente eleito "ainda pode incitar sua base e frear a agenda de igualdade de gênero, além de estimular as divisões, medos e a desinformação sobre a igualdade das mulheres".

cdl/ceb/oho/dbh/es/fp

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Os cookies nos ajudam a administrar este site. Ao usar nosso site, você concorda com nosso uso de cookies. Política de privacidade

Aceitar