Participamos do

Espanha e Marrocos abrem 'nova etapa' após longa crise

22:43 | Abr. 07, 2022
Autor AFP
Tipo Notícia

A Espanha e Marrocos se comprometeram a "abrir uma nova etapa" em suas relações suspensas há um ano durante uma visita a Rabat do chefe do governo espanhol, Pedro Sánchez, que recentemente deu uma reviravolta em sua política sobre o Saara Ocidental.

Em uma audiência com o rei Mohamed VI, "coincidimos em abordar e em definir um roteiro, que é também ambicioso, e que vai guiar o desenvolvimento desta nova fase entre ambos os países", declarou Sánchez aos jornalistas.

"Acredito que é um momento histórico e necessário para ambos os países", completou o chefe do governo socialista.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

Acompanhado de seu chanceler, José Manuel Albares, Pedro Sánchez foi convidado por Mohamed VI para um "iftar", a quebra do jejum do Ramadã, oferecido em sua honra, um sinal da importância da visita para Rabat.

Em uma declaração conjunta, o monarca marroquino e o dirigente espanhol concordaram em "inaugurar uma etapa inédita nas relações entre os dois países".

Esta normalização foi possibilitada pela mudança de posição de Madri sobre o Sahara Ocidental, uma colônia espanhola até 1975 e disputada entre Rabat e os separatistas saharauis da Frente Polisário.

Marrocos controla cerca de 80% deste território desértico, rico em fosfato e com amplas reservas de peixes em suas águas, mas a Frente Polisário pede um referendo de autodeterminação previsto na assinatura em 1991 de um cessar-fogo, mas nunca concretizado.

A Espanha "reconhece a importância da questão do Saara para Marrocos, assim como os esforços sérios e credíveis do Marrocos no ambiente das Nações Unidas para encontrar uma solução mutuamente aceitável", indicou a declaração conjunta.

"Para isso, a Espanha considera a iniciativa marroquina de autonomia, apresentada em 2007, como a base mais séria, realista e credível para a resolução deste impasse", completou.

Horas antes de aterrissar em Rabat, o chefe do governo espanhol sofreu críticas no Congresso, que denunciou o abandono da "posição histórica" de neutralidade de Madri em relação ao Saara.

Sánchez rejeitou as acusações de ter dado uma "reviravolta" em sua política, mas a manobra causou a irritação de seus aliados de esquerda, oposição de direita, da Frente Polisário e da Argélia, principal apoio dos independentistas saharauis e provedor de gás à Espanha.

"O jogo perigoso de Sánchez agrava as tensões na região", denunciou nesta quinta-feira o jornal argelino L'Expression.

O convite do líder espanhol ao rei Mohamed VI insere-se "no quadro de uma nova aliança" entre os dois reinos vizinhos, imersos há mais de um ano numa amarga crise diplomática.

"Um dos primeiros objetivos desta nova etapa será o retorno à plena normalidade na movimentação de mercadorias e mercadorias nos postos fronteiriços de Ceuta e Melilla", disse Sánchez, dois enclaves espanhóis no norte de Marrocos.

Marrocos havia paralisado esse comércio transfronteiriço, considerado contrabando, em 2019.

"Vamos prosseguir com a reabertura progressiva para garantir um fluxo ordenado de pessoas (...) e as mercadorias também circularão normalmente", prometeu o líder espanhol.

Durante a visita, ambas as partes concordaram com uma reunião de alto nível dos dois governos antes do final do ano para implantar "o roteiro" estabelecido em Rabat.

Entre as "questões de interesse comum" estão a "reativação" da cooperação em migração e a delimitação de águas territoriais. Grupos de trabalho específicos serão criados para essas questões delicadas.

Outras questões prioritárias são o comércio e o investimento (a Espanha é o principal parceiro comercial de Marrocos) e a cooperação energética após o encerramento pela Argélia do gasoduto Magreb-Europeu (GME) que passa pelo reino Alauite.

Para Madri, a normalização das relações com Rabat tem como principal objetivo garantir a sua "cooperação" no controle da imigração irregular de Marrocos, de onde parte a maioria dos migrantes.

O reino Alaouite foi acusado em várias ocasiões de usar os migrantes como meio de pressão.

A crise entre Rabat e Madri, provocada pela recepção na Espanha em abril de 2021 do chefe da Frente Polisário para ser internado por covid, atingiu o seu ápice com a entrada de 10.000 migrantes em Ceuta em maio, devido ao relaxamento dos controlos do lado marroquino.

A Espanha então acusou Rabat de "chantagem" e "agressão". Marrocos retirou o seu embaixador em Madri, que voltou em 20 de março.

O governo espanhol também espera que Rabat esfrie sua reivindicação aos enclaves de Ceuta e Melilla. Mas alguns analistas alertam que a Espanha não obteve garantias reais.

agr-mg/ko/isb/ezz/all/sag/es/dbh/am

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Os cookies nos ajudam a administrar este site. Ao usar nosso site, você concorda com nosso uso de cookies. Política de privacidade

Aceitar