Participamos do

OMS: casos da covid-19 continuam a aumentar no mundo, puxados por Ásia e Europa

12:36 | Mar. 23, 2022
Autor Agência Estado
Foto do autor
Agência Estado Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

O secretário-geral da Organização Mundial de Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, alertou nesta quarta-feira (23) para o aumento nos casos da covid-19 pelo mundo, impulsionados sobretudo pela Ásia, mas também pela Europa. "O aumento global nos casos de covid-19 continua, puxados por grandes surtos na Ásia e por uma nova onda na Europa", afirmou ele, durante entrevista coletiva. "Vários países enfrentam agora suas taxas de mortalidade mais elevadas desde o início da pandemia."

Ghebreyesus disse que a alta recente nos casos reflete a disseminação da variante Ômicron da doença, mais contagiosa, sobretudo sua subvariante BA.2, e também o risco de vida maior para os não vacinados, especialmente entre as pessoas mais velhas. Nesse contexto, a entidade voltou a insistir na necessidade de se avançar na vacinação em todos os países. "Mesmo enquanto alguns países de renda alta propõem uma segunda dose de reforço, um terço da população mundial continua sem vacinas."

Líder técnica da covid-19 na OMS, Maria Van Kerkhove falou sobre o avanço recente de casos da covid-19 no mundo. Segundo ela, isso ocorre também por causa da retirada de medidas profiláticas que podem conter os contágios. Kerkhove voltou a insistir na importância do uso de máscaras com essa finalidade, mas disse que a OMS não defende lockdowns, no quadro atual da pandemia.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

Ucrânia

O secretário-geral da OMS também destacou o quadro na Ucrânia. Segundo ele, a situação humanitária "continua a se deteriorar" em muitas partes do país "e é crítica nos distritos de Mariupol e Bucha". Ele lembrou que, um mês após a invasão russa, quase 10 milhões de pessoas, ou um quarto da população da Ucrânia, tiveram de deixar suas casas para fugir da violência. "Continuamos a pedir à Federação Russa que pare a guerra", pediu Ghebreyesus.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Os cookies nos ajudam a administrar este site. Ao usar nosso site, você concorda com nosso uso de cookies. Leia Mais.

Aceitar