Participamos do

Mianmar 'rechaça categoricamente' as acusações de genocídio contra os rohingya

13:16 | Mar. 22, 2022
Autor AFP
Tipo Notícia

A junta de Mianmar rechaçou "categoricamente", nesta terça-feira, a acusação dos Estados Unidos de que os militares cometeram genocídio contra a minoria rohingya, majoritariamente muçulmana.

"Os relatos mencionados no discurso do Secretário de Estado (Anthony Blinken) estão longe da realidade", disse o Ministério de Relações Exteriores da Junta em um comunicado.

"Mianmar nunca levou a cabo ação genocida e não tem intenção genocida alguma de destruir, total ou parcialmente, um grupo nacional, racial ou religioso ou qualquer outro grupo", anunciou o comunicado.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

Os EUA declarou oficialmente, na segunda-feira, que a violência contra os rohingya cometida pelo exército de Mianmar equivalia a um genocídio, afirmando que havia provas claras de uma tentativa de "destruir" esse minoria muçulmana.

Citando o assassinato de milhares de pessoas e a fuga forçada do país de cerca de um milhão em 2016 e 2017, o Secretário de Estado americano, Antony Blinken, disse estar "certo de que membros do exército de Mianmar cometeram genocídio e crimes contra a humanidade contra os rohingya".

Ao redor de 850.000 rohingya vivem aglomerados em acampamentos do vizinho Bangladesh e muitos deles contaram sobre matanças e violações massivas durante a campanha lançada contra eles há cinco anos. Outros 600.000 membros da comunidade permanecem no estado de Rakáin, em Mianmar, onde denunciam uma opressão generalizada.

bur-rma/pc/mb/dd

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Os cookies nos ajudam a administrar este site. Ao usar nosso site, você concorda com nosso uso de cookies. Leia Mais.

Aceitar