Logo O POVO+

Jornalismo, cultura e histórias em um só multistreaming.

Participamos do

Aumentar a defesa aérea da Ucrânia parece mais fácil no discurso do que na prática

14:35 | Mar. 19, 2022
Autor AFP
Tipo Notícia

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, prometeu ajudar a Ucrânia a obter sistemas de defesa aérea com maior alcance do que os lançadores de mísseis Stinger já em solo.

No entanto, obter as poderosas baterias antimísseis, extremamente necessárias para os militares ucranianos, parece mais fácil no discurso do que na prática.

O armamento ideal para isso seria um sistema de baterias antiaéreas do tipo Patriot, cuja eficácia foi amplamente demonstrada nos últimos anos no Iraque e no Golfo Pérsico.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

Instalado em caminhões, o Patriot possui um radar capaz de detectar e interceptar automaticamente uma aeronave, drone ou míssil em um raio de mais de 100 quilômetros, além de um posto de vigilância para três soldados e uma bateria de mísseis de interceptação.

No entanto, os militares ucranianos não são treinados para operar o sofisticado armamento americano.

No entanto, eles sabem como manobrar o sistema antiaéreo russo S-300 de primeira geração, concorrente do Patriot, cujo alcance é mais limitado, mas suficiente para proteger Kharkiv ou Kyiv, duas cidades próximas à fronteira com a Rússia, de onde a maioria mísseis são disparados.

Mas qual seria a eficácia dos sistemas S-300 contra os mísseis de ponta de Moscou? O Ministério da Defesa russo disse neste sábado que no dia anterior havia usado mísseis hipersônicos Kinjal pela primeira vez para destruir um depósito de armas no oeste da Ucrânia.

Segundo a Rússia, esse tipo de míssil, muito fácil de manusear, desafia todos os sistemas de defesa antiaérea. Os S-300 podem chegar de países do antigo bloco soviético que ainda os utilizam, particularmente Eslováquia e Bulgária, onde o secretário de Defesa dos EUA, Lloyd Austin, esteve nos últimos dias.

O obstáculo é que esses países ainda dependem dos S-300 para sua própria segurança e estão exigindo sua reposição - por outros do sistema Patriot - antes de entregá-los à Ucrânia.

Na sexta-feira, a Holanda disse que enviaria uma bateria Patriot para a base militar Sliac no centro da Eslováquia, e a Alemanha confirmou que enviaria mais duas para o país, o que poderia facilitar a transferência das únicas baterias S-300 da Eslováquia para a Ucrânia.

No entanto, as baterias Patriot alemãs e holandesas não chegariam à Eslováquia imediatamente - a Holanda estima a entrega em 15 de abril no mínimo - e o tempo está se esgotando para o exército ucraniano.

Embora vários países possam estar prontos para fornecer a Kiev mísseis sobressalentes para os S-300, a Ucrânia precisa de muitos sistemas completos, incluindo radares e estações de monitoramento.

"Um S-300 é melhor do que nenhum", diz Brent Eastwood, editor de defesa da 1945, uma revista online de política externa. Mas "ainda é insuficiente".

Outro país da Otan, a Grécia, tem S-300, mas também precisaria de uma oferta para substituí-los.

De qualquer forma, mesmo que o Pentágono, cujo estoque de Patriots é limitado, decidisse emprestar os seus a esses países, levaria semanas para eles chegarem ao destino.

Washington está tentando convencer aliados em outras regiões a emprestar seus Patriots, mas novamente não será fácil.

Os países do Golfo têm inúmeras baterias antiaéreas para se protegerem dos mísseis iranianos, mas não parecem dispostos a ajudar a Ucrânia.

A Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos, que estão entre os maiores exportadores de petróleo do mundo e cujos laços são fortes tanto com o Ocidente quanto com Moscou, até agora evitaram tomar qualquer posição contra a Rússia.

sl/vgr/cn/seb/rle/dg/jc

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Os cookies nos ajudam a administrar este site. Ao usar nosso site, você concorda com nosso uso de cookies. Política de privacidade

Aceitar