Logo O POVO+

Jornalismo, cultura e histórias em um só multistreaming.

Participamos do

Agência Espacial Europeia cancela seus projetos com a Rússia

15:21 | Mar. 17, 2022
Autor AFP
Tipo Notícia

A Agência Espacial Europeia (ESA) confirmou a suspensão da missão russo-europeia ExoMars e procura alternativas para o lançamento das suas próximas missões, especialmente a Marte.

A ExoMars estava programada para este ano, mas diante da invasão russa da Ucrânia, a ESA, em comunicado, "reconheceu a impossibilidade de manter a atual cooperação com a (agência espacial russa) Roscosmos".

O conselho administrativo da ESA instruiu seu diretor a realizar um estudo rápido para relançar ExoMars e buscar novas opções.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

"É muito amargo para todos os entusiastas do espaço", disse o chefe da agência, Dmitri Rogozin, no Telegram.

Ao mesmo tempo, Rogozin demonstrou otimismo ao afirmar que "em poucos anos" a Rússia poderá realizar essa missão sozinha.

"Sim, levará alguns anos (...) mas seremos capazes de realizar esta missão de pesquisa sozinhos a partir do novo local de lançamento no Cosmódromo de Vostochny", disse ele.

A ExoMars estava programada para lançar um rover com destino a Marte em setembro, com a ajuda de um lançador e uma estrutura de pouso russos.

Os lançamentos de diversas missões da ESA utilizavam, até agora, o lançador russo Soyouz a partir do porto espacial europeu de Kourou, na Guiana Francesa.

A Roscosmos condenou as sanções europeias, impostas em virtude da invasão russa à Ucrânia, de suspender os lançamentos com a Soyouz no porto de Kourou e de chamar de volta sua equipe de centenas de engenheiros e técnicos.

Inicialmente previsto para 2020, o lançamento da ExoMars foi adiado, por causa da pandemia de covid-19, para setembro de 2022.

O rover da ESA, Rosalind Franklin, deveria ser transportado por um foguete Proton de Baïkanour no Cazaquistão e pousar em Marte com a ajuda do lander "Kazatchok", também russo.

Agora, a expedição espacial está mais do que comprometida por causa de uma janela de lançamento em direção ao planeta vermelho que se abre de dois em dois anos.

A cooperação com a Nasa dos EUA "é uma opção", disse o diretor-geral da ESA, Josef Aschbacher.

Todas as outras missões da ESA tem como base a utilização do lançador russo Proton foram também suspensos. Estas incluem dois satélites para constelação europeia de posicionamento Galileo, a missão científica Euclid e a missão europeia-japonesa de observação da Terra EarthCARE.

A situação é difícil porque uma das alternativas para substituir o Soyuz, o foguete Ariane 6, está com a agenda cheia.

Esse foguete ainda não colocou em órbita um satélite de observação militar francês, CSO-3, e a missão será adiada em um ano por causa do cancelamento dos serviços russos.

O maior símbolo da cooperação espacial com a Rússia, que remonta à década de 1990, quando a União Soviética caiu, continua sendo a Estação Espacial Internacional (ISS).

A ISS tem basicamente dois segmentos, um americano e um russo.

O chefe da Roscosmos recentemente alertou sobre o efeito das sanções em seus próprios planos. A nave Progress, por exemplo, serve para manter a ISS em sua órbita.

Aschbacher descartou nesta quinta-feira um impacto na segurança da ISS.

"As operações são estáveis e seguras", disse ele.

pcl/fmp/bl/mis/mr/dd/jc

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Os cookies nos ajudam a administrar este site. Ao usar nosso site, você concorda com nosso uso de cookies. Política de privacidade

Aceitar