Logo O POVO+

Jornalismo, cultura e histórias em um só multistreaming.

Participamos do

Ataque ucraniano deixa ao menos 23 mortos em Donetsk, segundo Moscou

16:05 | Mar. 14, 2022
Autor AFP
Tipo Notícia

Autoridades russas afirmaram nesta segunda-feira (14) que 23 pessoas morreram no impacto de um míssil ucraniano na cidade separatista pró-russa de Donetsk, acusando Kiev de um "crime de guerra".

Segundo um comunicado do poderoso Comitê de Investigação Russo, "ao menos 23 civis (...), inclusive crianças, foram mortos e pelo menos 18 pessoas ficaram feridas".

O porta-voz do Ministério da Defesa russo, Igor Konashenkov, anunciou, por sua vez, que "20 residentes pacíficos morreram e 28 pessoas, inclusive crianças, ficaram gravemente feridas e estão hospitalizadas".

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

Segundo Konashenkov, o exército ucraniano disparou um míssil "Tushka-U" contra uma área residencial de Donetsk, grande cidade industrial autoproclamada "capital" do território separatista pró-russo.

"O uso deste tipo de armas contra uma cidade onde não há posições de tiro das forças armadas (...) é um crime de guerra", disse Konashenkov.

Durante uma conversa por telefone com o primeiro-ministro israelense, Naftali Bennett, o presidente russo, Vladimir Putin, denuncio um "novo ato de barbárie do exército ucraniano", segundo o Kremlin.

O presidente também acusou as forças de terem usado "armas de submunições", proibidas pelos tratados internacionais devido a seu impacto destrutivo e indiscriminado em uma ampla área, com o risco que representa para os civis.

A acusação do presidente russo não pôde ser verificada de forma independente.

O exército ucraniano desmentiu categoricamente ter disparado um míssil contra Donetsk. "Trata-se definitivamente de um míssil russo ou de outro tipo de munição", declarou o porta-voz do exército ucraniano, Leonid Matiukin, durante uma coletiva de imprensa.

Um balanço anterior, anunciado pela manhã pelo "ministério" local da saúde, dava conta de 16 mortos e 23 feridos.

A AFP não pôde verificar nenhum dos balanços junto a uma fonte independente.

Em sua conta no Telegram, a defesa territorial de Donetsk publicou fotos que mostram corpos ensanguentados em uma rua, entre escombros.

Em um primeiro momento, a conta afirmou que as vítimas morreram atingidas pelos fragmentos de um míssil ucraniano "Totchka", que teria sido interceptado pelas defesas antiaéreas separatistas.

O líder dos separatistas de Donetsk, Denis Pushilin, afirmou à televisão russa que se tratou de um míssil que continha submunições, proibido por mais de 100 países, mas não por Rússia nem Ucrânia.

"Se (o míssil) não tivesse sido abatido, o número de vítimas seria ainda maior", declarou Pushilin.

bur/at/mis/es/zm/fp/mvv

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Os cookies nos ajudam a administrar este site. Ao usar nosso site, você concorda com nosso uso de cookies. Política de privacidade

Aceitar