Participamos do

EUA: Putin sofrerá derrota estratégica na Ucrânia

Secretário de Estado Antony Blinken disse que a tentativa russa de tomar a Ucrânia de forma rápida militarmente falhou
17:01 | Mar. 09, 2022
Autor Agência Estado
Foto do autor
Agência Estado Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

O secretário de Estado americano, Antony Blinken, disse nesta quarta-feira, 9, que está "convencido" de que o presidente da Rússia, Vladimir Putin, sofrerá derrota estratégica em seus planos na Ucrânia. Em coletiva de imprensa junto de sua contraparte britânica, Liss Truss, o americano disse que a tentativa russa de tomar a Ucrânia de forma rápida militarmente falhou, e que outros meios, como uma troca de governo ou uma ocupação militar permanente também não funcionariam para as ambições de Moscou.

Segundo Blinken, EUA e Reino Unido estão unidos na intenção de aumentar os custos para a Rússia pela invasão. Questionado sobre os pedidos de Kiev pelo estabelecimento de uma zona de exclusão aérea na Ucrânia, disse que a medida iria levar a confronto da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) com Rússia, o "que expandiria o número de mortes e prolongaria o conflito". Truss concordou com a visão, e reforçou as restrições à economia russa, dizendo que o propósito das sanções é parar o financiamento do país, especialmente do complexo militar industrial.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

Sobre a oferta da Polônia de entregar seus caças MiG-29 aos EUA para que eles sejam enviados à guerra por meio de uma base militar na Alemanha, Blinken disse que a "decisão de transferir qualquer equipamento para Ucrânia deve ser de cada país". Segundo ele, assim como dito pelo Pentágono, a "proposta da Polônia mostra a complexidade do tema, e levanta preocupações para a Otan".

Questionado sobre a relação com a Venezuela, disse que os EUA contam com uma série de interesses no país, incluindo democracia, americanos detidos e manter oferta global de energia. "Usamos diplomacia para buscar nossos interesses, assim como em outros países", afirmou.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags