Logo O POVO+

Jornalismo, cultura e histórias em um só multistreaming.

Participamos do

UE propõe reforçar combate à desinformação em relação à guerra na Ucrânia

10:42 | Mar. 08, 2022
Autor AFP
Tipo Notícia

Altos funcionários da Comissão Europeia formularam, nesta terça-feira (8), um chamado para que todos "os canais possíveis" sejam utilizados para que informação adequada sobre a guerra na Ucrânia chegue à população russa, como forma de enfrentar a desinformação.

O presidente russo, Vladimir Putin, "quer que seu país seja surdo e cego. Ainda mais, quer do povo russo a apatia", disse a vice-presidente executiva da Comissão, Vera Jourova, durante um debate no Parlamento Europeu.

De acordo com Jourova, é urgente "tirar a população russa da apatia".

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

"Temos que atuar" disse Jourova, que saudou a decisão da plataforma americana de vídeo Netflix de remover da sua grade de programação produções russas, e a intenção manifestada pelos gigantes digitais de restringir a desinformação.

Por sua vez, o chefe da diplomacia da União Europeia (UE), Josep Borrell, salientou que "a informação é o combustível da democracia. Se é contaminada com mentiras, a democracia adoece, porque o raciocínio político se torna enviesado".

"Fomos acusados de ter atacado a liberdade de informação com a proibição dos (meios de comunicação russos) RT (Russia Today) e Sputinik. Porém, quando os atores estrangeiros, de maneira coordenada, manipulam a informação para nos prejudicar, isso é inaceitável", argumentou.

Borrell anunciou sua intenção de propor à UE um mecanismo para "sancionar os atores maliciosos que desinformam", ainda que não tenha oferecido detalhes.

Nesse cenário, Jourova apontou que a Comissão vai propor uma atualização do código de conduta para os atores digitais com a finalidade de poder lutar contra a desinformação nas redes, mediante a "identificação de comportamentos e atores maliciosos".

Também serão propostas medidas, nos próximos meses, para ajudar jornalistas e meios de comunicação independentes a "proteger melhor o pluralismo da imprensa na UE contra as pressões econômicas", disse a funcionária.

"Os Estados-membros dizem que a regulação dos meios de comunicação não é de nossa competência, porém não estou totalmente de acordo", advertiu.

O serviço diplomático da UE mantém desde 2015 um canal de análise sobre desinformação estrangeira, manipulação de informação e interferência para rastrear fontes de desinformação e identificar os responsáveis com o objetivo de sanciona-los.

csg-maj/ahg/zm

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Os cookies nos ajudam a administrar este site. Ao usar nosso site, você concorda com nosso uso de cookies. Política de privacidade

Aceitar