Logo O POVO+

Jornalismo, cultura e histórias em um só multistreaming.

Participamos do

Negociação sobre cessar-fogo na Ucrânia uma semana após invasão russa

06:00 | Mar. 03, 2022
Autor AFP
Tipo Notícia

Uma semana após a invasão da Ucrânia pela Rússia, Moscou e Kiev devem participar nesta quinta-feira em uma segunda rodada de negociações visando um eventual cessar-fogo na guerra, que já provocou a fuga de um milhão de refugiados.

A reunião acontecerá um dia após a queda da cidade portuária de Kherson, de 290.000 habitantes, no sul do país, às margens do Mar Negro.

Esta é a maior vitória até o momento das tropas russas, que prosseguem com a ofensiva em cidades do leste do país, como Kharkiv e Mariupol.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

Centenas de civis ucranianos morreram desde o início da invasão, que será investigada pelo procurador do Tribunal Penal Internacional (CPI), o britânico Karim Khan, por supostos crimes de guerra após as acusações de Kiev de bombardeios contra zonas residenciais.

As autoridades de Kherson confirmaram na quarta-feira à noite a queda da cidade, mas informaram que a bandeira ucraniana permanece hasteada nos edifícios públicos.

"Os ocupantes estão em todas as partes da cidade e são muito perigosos", declarou o chefe da administração regional, Guennady Lakhuta, no Telegram.

O prefeito de Kherson, Igor Kolykhayev, afirmou ter conversado com as tropas invasoras e que impôs um toque de recolher noturno, assim como restrições ao uso de automóveis.

"Até agora tudo está indo bem. A bandeira hasteada acima de nós é a ucraniana. E para que isso continue, estas exigências devem ser respeitadas", acrescentou.

O exército russo anunciou na madrugada de quarta-feira a tomada de Kherson, localizada a 100 quilômetros da península da Crimeia, que Moscou anexou em 2014.

As tropas invasoras já tomaram o controle de outro importante porto do país, Berdyansk, e estão atacando Mariupol, cujo prefeito, Vadim Boichenko, afirmou que a cidade está "sem energia elétrica, sem água, sem calefação".

A situação "piora a cada hora", disse Maryna, de 28 anos, antes de afirmar que o centro da cidade foi esmagado.

Se esta cidade cair, a Rússia poderia garantir uma continuidade territorial entre as forças procedentes da península da Crimeia e as unidades dos territórios separatistas pró-Moscou da região de Donbass (sudeste).

Outro ponto importante do conflito é Khariv, a segunda maior cidade do país, com 1,4 milhão de habitantes, cenário de intensos bombardeios e combates na quarta-feira, quando tropas aerotransportadas russas desembarcaram na localidade.

A Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE) denunciou a morte de uma funcionária na cidade, onde afirmou que "mísseis, projéteis e foguetes atingem edifícios residenciais e centros urbanos, matando e ferindo civis inocentes".

Líderes religiosos citados pela agência Interfax afirmaram que uma igreja ortodoxa em Kharkiv foi atingida, mas sem provocar vítimas.

Autoridades locais também denunciaram ataques aéreos na cidade próxima de Izium que mataram oito pessoas, incluindo duas crianças.

Na capital Kiev foram ouvidas fortes explosões durante a noite, de acordo com mensagens nas redes sociais. Dezenas de famílias permanecem refugiadas na estação de metrô de Dorohozhychi.

Os avanços militares da Rússia acontecem poucas horas antes da segunda rodada de negociações entre as partes desde o início da ofensiva, determinada em 24 de fevereiro pelo presidente Vladimir Putin.

As discussões acontecerão em um ponto de Belarus próximo da fronteira com a Polônia", afirmou o líder da delegação russa, Vladimir Medinski.

Os primeiros contatos na segunda-feira, também em Belarus, não registraram avanços.

Kiev descarta uma rendição e exige um cessar-fogo, assim como a retirada das forças invasoras de seu território.

Moscou exige o reconhecimento da Crimeia como território russo, assim como a "desmilitarização e 'desnazificação' do Estado ucraniano".

O governo dos Estados Unidos quer "apoiar os esforços diplomáticos" da Ucrânia para alcançar um cessar-fogo com a Rússia, embora "seja muito mais difícil de conseguir quando os tiros ressoam e os tanques avançam", afirmou o secretário de Estado Antony Blinken.

O isolamento de Moscou ficou patente na Assembleia Geral da ONU, que aprovou por grande maioria (141 votos a favor, 5 contrários e 35 abstenções) uma resolução para exigir a retirada das tropas da Rússia da Ucrânia e criticar a invasão.

Nesta quinta-feira, a ONU anunciou que mais de um milhão de pessoas fugiram da Ucrânia.

"Em apenas sete dias, vimos o êxodo de um milhão de refugiados da Ucrânia para países vizinhos", tuitou o alto comissário das Nações Unidas para os refugiados, Filippo Grandi.

O ACNUR fez um apelo esta semana para arrecadar 1,7 bilhão de dólares para ajudar os 16 milhões de pessoas que precisarão de ajuda nos próximos meses devido ao conflito: 12 milhões de deslocados na Ucrânia e 4 milhões de refugiados no exterior.

A invasão provocou muitas sanções de governos, instituições e empresas ocidentais para isolar a Rússia nas áreas diplomática, econômica, cultural e esportiva.

Mas a guerra também provocou a disparada dos preços do petróleo e do alumínio. A moeda russa, o rublo, registrou desvalorização de mais de um terço desde o início da guerra.

burx-dbh/zm/fp

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Os cookies nos ajudam a administrar este site. Ao usar nosso site, você concorda com nosso uso de cookies. Política de privacidade

Aceitar