Logo O POVO+

Jornalismo, cultura e histórias em um só multistreaming.

Participamos do

Moscou se concentrará na fabricação de satélites para fins militares

15:40 | Mar. 03, 2022
Autor AFP
Tipo Notícia

A agência espacial russa Roscosmos anunciou nesta quinta-feira (3) que a partir de agora vai priorizar o desenvolvimento de satélites para fins militares, uma consequência do isolamento internacional que a Rússia sofre uma semana depois de invadir a Ucrânia.

"É claro que nosso programa espacial será ajustado. Para começar, as prioridades serão definidas", disse Dmitri Rogozin, chefe da Roscosmos, em entrevista à rede de televisão pública Rossiya-24.

"A prioridade atual é a fabricação de dispositivos espaciais de acordo com as necessidades da Roscosmos e do Ministério da Defesa", acrescentou. Esses "dispositivos espaciais", satélites em particular, terão uma "dupla finalidade", especificou.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

A Roscosmos já projetou satélites militares para o Ministério da Defesa da Rússia.

Rogozin também anunciou que a Rússia não fornecerá mais motores de foguete para os Estados Unidos, incluindo o RD-180 e o RD-181 usados para alimentar os foguetes Atlas e Antares da América.

"Deixe-os voar para o espaço com suas vassouras", comentou.

A Roscosmos deixará de "participar de experimentos conjuntos na Estação Espacial Internacional (ISS)" com a Alemanha, de acordo com uma carta de Rogozin enviada ao Centro Aeroespacial Alemão e publicada no site da agência.

Entre esses experimentos científicos estão o "Matriochka-R", que analisa a radiação espacial e o "Vampiro", cujo objetivo é criar sensores infravermelhos usando cristais.

Rogozin também anunciou que todo o pessoal científico e técnico russo presente na base espacial Kuru na Guiana (departamento francês no exterior) já partiu.

Sua saída havia sido anunciada no sábado em resposta às sanções decididas pela União Europeia (UE) contra a Rússia após a invasão da Ucrânia, lançada em 24 de fevereiro.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Os cookies nos ajudam a administrar este site. Ao usar nosso site, você concorda com nosso uso de cookies. Política de privacidade

Aceitar