Logo O POVO+

Jornalismo, cultura e histórias em um só multistreaming.

Participamos do

Rússia diz ter tomado cidade no sul da Ucrânia; pelo menos 21 morreram em Kharkiv

O centro de Kharkiv voltou a ser intensamente bombardeado pela artilharia russa na manhã (madrugada em Brasília) desta quarta-feira, 2, no sétimo dia da ofensiva de Moscou contra o território ucraniano. Ataques aéreos causaram mortes em pelo menos duas cidades entre a noite de terça e a madrugada de quarta, enquanto tropas russas continuavam a avançar pelo país. Segundo militares russos, Kherson (sul) foi tomada.

Em meio às críticas do presidente ucraniano, Volodmir Zelenski, sobre a escalada dos ataques em áreas urbanas populosas - o que foi definido por Zelenski como "uma campanha flagrante de terror" -, bombardeios russos mataram pelo menos 21 pessoas e feriram mais de 100 apenas em Kharkiv, segunda maior cidade do país, nas últimas 24 horas, de acordo com o governador regional Oleg Synegubov. Áreas residenciais e o prédio da administração regional foram atingidos por mísseis russos, segundo os ucranianos.

Outro bombardeio com mortes confirmadas atingiu a cidade de Zhytomyr. Quatro pessoas perderam a vida após uma área residencial ser atingida por um míssil de cruzeiro, que aparentemente era direcionado a uma base aérea próxima. De acordo com Anton Gerashchenko, conselheiro do Ministério do Interior, uma das vítimas seria uma criança.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

"Putin está em guerra contra as crianças. Na Ucrânia, onde mísseis estão atingindo escolas infantis e orfanatos, e também na Rússia. David, de 7 anos, Sofia, de 9 anos, Matvey, de 11 anos, Gosha e Liza passaram a noite atrás das grades em Moscou por causa de seus pôsteres 'No to War'. Isso mostra o quão assustador esse homem é", escreveu Dmytro Kuleba, chanceler da Ucrânia, compartilhando fotos das crianças russas.

Relatos da imprensa ucraniana apontam que alertas sobre ataques aéreos foram emitidos durante toda a madrugada em diferentes cidades do país. Em Kiev, Chernihiv, Sumy, Pyryatyn, Myrhorod e Dnipro, os moradores foram aconselhados a buscar abrigo.

Além dos bombardeios, tropas russas também avançaram pelo território da Ucrânia. No fim da madrugada, o Exército russo anunciou ter tomado o controle da cidade de Kherson, no sul do país. "Divisões russas das forças armadas assumiram o controle total do centro regional de Kherson", disse o porta-voz do Ministério da Defesa, Igor Konashenkov, em declarações transmitidas pela televisão.

"As negociações continuam com o comando russo e a administração local para resolver questões relacionadas à operação das instalações de infraestrutura social, bem como para garantir a ordem e a segurança da população", acrescentou, dizendo que não faltam alimentos na cidade para os civis.

Minutos antes, o prefeito da cidade, Igor Kolikhayev, havia indicado que a cidade ainda estava sob controle ucraniano -- apesar de ter admitido anteriormente que forças russas já controlavam os acessos para Kherson e tinham assumido o controle da estação de trem e do porto.

O exército russo também já conquistou o controle do porto de Berdyansk e está realizando uma dura ofensiva contra Mariupol, também no sul do país.

Em Kharkiv, tropas aerotransportadas da Rússia desembarcaram durante a madrugada. "Um grupo de paraquedistas russos desembarcou em Kharkiv", disse o centro operacional das Forças Armadas da Ucrânia em seu canal Telegram. Segundo o órgão, "os ocupantes atacaram o hospital, o Centro Clínico Médico Militar da Região Norte" e eclodiu uma batalha entre os invasores e os defensores ucranianos.

Refugiados

A Comissão Europeia anunciou nesta quarta-feira que concederá autorizações de residência temporárias aos refugiados ucranianos e lhes concederá direitos à educação e ao trabalho nos 27 países da União Europeia. A medida ainda precisa ser aprovada pelos estados-membros - que já expressaram amplo apoio à medida no fim de semana passado.

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, disse que "todos aqueles que fogem das bombas de Putin são bem-vindos na Europa. Forneceremos proteção para aqueles que procuram abrigo e ajudaremos aqueles que procuram um caminho seguro para casa."

Apesar de recente, o confronto vem aumentando o número de vítimas a cada dia. Um balanço do Alto Comissariado das Nações Unidas para Direitos Humanos, divulgado antes dos confrontos da madrugada, apontava que 136 civis morreram desde o início da invasão russa, incluindo 13 crianças, e 400 civis foram feridos - 26 deles menores de idade. O número, de acordo com a própria ONU, devem estar subnotificado.

O último relatório dos militares russos sobre o avanço militar aponta que, desde o início da invasão, 1.502 alvos de infraestrutura militar ucraniana foram destruídos; 47 aviões foram obliterados ainda no solo (e 11 no ar); 472 tanques e outros blindados, bem como 62 lançadores de mísseis e 206 peças de artilharia e morteiros ucranianos foram destruídos.

Do lado ucraniano, uma estimativa das forças armadas indica que 5.840 soldados russos foram mortos em combate. 30 aviões e 31 helicópteros teriam sido destruídos, assim como 211 tanques, 355 carros, 862 veículos blindados, 85 peças de artilharia e duas embarcações. (Com agências internacionais).

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Os cookies nos ajudam a administrar este site. Ao usar nosso site, você concorda com nosso uso de cookies. Política de privacidade

Aceitar