Logo O POVO+

Jornalismo, cultura e histórias em um só multistreaming.

Participamos do

Ministros da UE discutem concessão de proteção temporária a deslocados da Ucrânia

14:14 | Fev. 27, 2022
Autor AFP
Tipo Notícia

Os ministros do Interior dos países da União Europeia (UE) iniciaram neste domingo (27) uma reunião de emergência em Bruxelas para organizar o acolhimento de milhares de refugiados da Ucrânia e discutir a concessão de uma proteção temporária.

"Temos que ver que status podemos dar a essas pessoas que estão fugindo do território ucraniano em condições extremamente difíceis", declarou ao chegar no encontro o ministro do Interior francês, Gérald Darmanin, cujo país detém a presidência rotativa do Conselho da UE.

Darmanin disse que a prioridade é receber "o melhor possível" estes refugiados na Polônia, e a partir daí estudar como conceder a eles proteção temporária.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

Em 2001, a UE adotou uma diretiva de proteção temporária, mas ela nunca chegou a ser aplicada de forma efetiva. Ela já prevê a concessão de proteção a pessoas deslocadas e sua distribuição entre os países do bloco.

A comissária europeia do Interior, Ylva Johansson, afirmou que este "é o momento certo" para implementar a norma, acrescentando que na reunião apresentará uma proposta nesse sentido.

Também o ministro do Interior belga, Sammy Mahdi, defendeu a implementação da diretiva o mais rápido possível. "Devemos garantir proteção a nível europeu. Estamos em um momento histórico da UE", comentou.

Entretanto, o ministro do Interior sueco, Anders Ygeman, foi mais cauteloso e apontou que "pode ser uma opção, não me oponho, e defendeu que os países do bloco assumam "suas responsabilidades em conjunto".

"A questão não é tanto a distribuição [dos refugiados e deslocados], mas examinar como podemos ajudar os países vizinhos" da Ucrânia.

Desde o início da ofensiva russa na Ucrânia, mais de 350 mil pessoas já fugiram dos combates, cerca de metade delas para a Polônia, segundo fontes polonesas.

ahg/eg/ic

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Os cookies nos ajudam a administrar este site. Ao usar nosso site, você concorda com nosso uso de cookies. Política de privacidade

Aceitar