Logo O POVO+

Jornalismo, cultura e histórias em um só multistreaming.

Participamos do

Crise da Ucrânia complica tarefa do Fed para baixar inflação nos EUA

13:55 | Fev. 27, 2022
Autor AFP
Tipo Notícia

A crise da Ucrânia pode disparar ainda mais a inflação nos Estados Unidos e complicar a tarefa do Federal Reserve (Fed, o Banco Central americano), para conter a alta de preços, sem afundar a economia.

A inflação está em seu ponto mais alto em 40 anos, e a invasão russa da Ucrânia "atingirá a economia americana principalmente pelo aumento dos preços da energia", disse Kathy Bostjancic, economista-chefe da Oxford Economics.

Os efeitos já começaram a ser sentidos nos postos de gasolina, ainda mais quando abastecer o carro já era 40% mais caro em janeiro do que um ano antes, segundo o índice de inflação IPC.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

"A inflação está muito alta, precisa baixar", disse Christopher Waller, membro do Federal Reserve, na quinta-feira.

Para isso, a poderosa instituição monetária elevará suas taxas de juros, em princípio, em sua próxima reunião, em 15 e 16 de março.

A medida vai encarecer o crédito, o que desestimula parte do consumo e, portanto, alivia a pressão sobre os preços.

Com uma economia global ainda se recuperando da crise da covid-19, esse movimento é uma corda bamba complicada. E um aumento adicional de preços causado pela guerra na Europa pode tornar esta tarefa ainda mais perigosa.

Desde março de 2020, as taxas de referência do país estão na faixa de 0% a 0,25%. Em meio à invasão da Rússia à Ucrânia, analistas tentam antecipar qual seria o próximo movimento do Banco Central americano.

"Apesar da perspectiva de uma inflação mais alta, a invasão russa agora nos leva a acreditar que (o Fed) optará por um aumento mais habitual de 25 pontos-base em março", diz Kathy Bostjancic.

"Os eventos atuais reduzem a probabilidade de um aumento de 50 pontos-base em março", considerou David Mericle, economista da Goldman Sachs Research, em um podcast interno recente.

A dinâmica do "preocupante" crescimento salarial e as "tendências de uma inflação forte" haviam levado Goldman Sachs Research, recentemente, a revisar suas previsões e antecipar aumentos de juros mais altos do que o inicialmente esperado.

O presidente do Fed, Jerome Powell, será interrogado sobre estas questões pelo Comitê Bancário da Câmara de Representantes americana, na terça-feira, e perante um comitê do Senado, no dia seguinte.

A situação na Ucrânia se soma aos "riscos e incertezas" que cercam a economia americana, alertou na quinta-feira Loretta Mester, presidente do escritório do Fed em Cleveland, ressaltando que a evolução do conflito pode afetar as medidas a serem adotadas pela instituição.

"As implicações da evolução da situação na Ucrânia para as perspectivas econômicas de médio prazo dos Estados Unidos também serão levadas em consideração para determinar o ritmo adequado para se retirar o apoio", acrescentou Loretta, membro votante do comitê monetário do Fed.

jul/vmt/cm/ll/yow/tt

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Os cookies nos ajudam a administrar este site. Ao usar nosso site, você concorda com nosso uso de cookies. Política de privacidade

Aceitar