Participamos do

Líder do movimento Damas de Branco e seu marido são liberados em Cuba

06:06 | Fev. 14, 2022
Autor AFP
Tipo Notícia

Berta Soler, líder do movimento de oposição Damas de Branco, e seu marido, Ángel Moya, foram liberados no domingo (13) à noite, depois que foram detidos pela manhã quando deixavam sua casa e sede da organização, informou à AFP a ativista dos direitos humanos Martha Beatriz Roque.

"Eles a soltaram às 19h20 e ele às 19h25", disse Roque, a única mulher detida durante a repressão da "primavera negra" de 2003.

"Algo que nunca haviam feito, eles fizeram hoje, que foi levá-la ao hospital Miguel Enríquez para que o médico de plantão preparasse um atestado de que não tinham ferimentos", acrescentou. Na semana passada, quando ambos foram presos, "Moya foi agredido e eles denunciaram".

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

As detenções de Berta e Moya, ex-preso político da "primavera negra", aconteceram quando os dois começavam uma caminhada rumo a uma igreja de Havana, em protesto pelos detidos de 11 de julho e em memória ao aniversário de nascimento de Laura Pollán, outra dama de branco falecida em 2011.

"Pela primeira vez, nove damas de branco chegam a igrejas diferentes" nesta ação de protesto dominical, nas províncias de Camagüey, Havana, Guantánamo, Villa Clara e Matanzas, informou Roque.

Uma delas é mãe de uma jovem que cumpre pena de seis anos de prisão por participar dos protestos históricos de 11 de julho em um presídio da província central de Matanzas.

Em 23 de janeiro, Soler foi detida com outras duas companheiras e a mãe de um jovem de 17 anos, também preso por participar dos protestos de julho.

As quatro mulheres, detidas quando se preparavam para ir à igreja de Santa Rita, em Havana, foram libertadas horas depois.

Várias mães e familiares de manifestantes da mobilização de 11 de julho detidos se aproximaram das Mães de Branco, grupo formado por opositoras.

Aos gritos de "Liberdade" e "Temos fome", as manifestações eclodiram em 11 de julho em cerca de 50 cidades cubanas, deixando um morto e dezenas de feridos.

Segundo números do governo, até janeiro passado 790 pessoas, incluindo 55 menores de 18 anos, foram indiciadas e outras 172 foram condenadas.

Neste domingo, a embaixada dos Estados Unidos insistiu no Twitter em que o "regime de #Cuba acusou dezenas de menores" pelos protestos de 11 de julho e que metade foi acusado de sedição.

"Pode um menino de 16 anos sequer entender o conceito de sedição como para ser acusado disso?", questionou.

O governo cubano, que diz que Washington está por trás destes protestos, considera ilegais a oposição política e os dissidentes.

lp/gm/mvv/fp

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags