Participamos do

Austrália declara coalas espécie 'ameaçada' em sua costa leste

Símbolo internacionalmente reconhecido da fauna única da Austrália, o coala foi listado como "vulnerável" na costa leste há uma década
07:16 | Fev. 11, 2022
Autor AFP
Tipo Notícia

A Austrália classificou os coalas, oficialmente, como uma espécie ameaçada ao longo de grande parte de sua costa leste, pela redução de sua população devido a incêndios florestais, doenças e desmatamento.

Organizações de conservação alertam que o número destes marsupiais despencou em boa parte do leste da Austrália nas últimas duas décadas e advertem que eles podem estar caminhando para a extinção.

A ministra australiana do Meio Ambiente, Sussan Ley, disse que estes animais foram designados como "ameaçados" para que seja possível oferecer-lhes um maior nível de proteção nos estados de Nova Gales do Sul, Queensland e Território da Capital Australiana.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

"Estamos tomando ações sem precedentes para proteger o coala", acrescentou, lembrando a recente promessa do governo de alocar US$ 36 milhões para sua preservação.

Símbolo internacionalmente reconhecido da fauna única da Austrália, o coala foi listado como "vulnerável" na costa leste há uma década.

"Os coalas passaram de não estarem nas listas a aparecerem como vulneráveis e ameaçados em uma década. É um declínio rápido e chocante", disse Stuart Blanch, cientista do WWF-Austrália.

"A decisão de hoje é bem-vinda, mas não impedirá que os coalas continuem caindo rumo à extinção, a não ser que seja acompanhada por leis mais fortes e incentivos para proteger as florestas", acrescentou.

Os conservacionistas afirmam que é difícil estimar as populações de coalas na área, mas um grupo independente que assessora o governo disse que os números caíram de 185.000 para 92.000 entre 2001 e 2021.

Além do incêndio devastador que devastou a Austrália entre o final de 2019 e o início de 2020, o diretor do Fundo Internacional para o Bem-Estar Alemão, Josey Sharrad, cita como causas desse declínio a derrubada de florestas, seca, doenças, atropelamentos e ataques de cães.

"Nunca deveríamos ter deixado as coisas chegarem ao ponto de estar em risco de perder um ícone nacional", lamentou Sharrad.

 

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags